A Merry Little Christmas

This adventure takes place between December 1 and Christmas Eve, 1911. Since there are many events on it, the GM can run this adventure around many game Session.

One important thing: violence will ensure the characters will have coal in their socks. Discourage as much as possible that PCs uses violence as problem solving: it’s OK to pull a bully into a stinky pile of junk to gain time to run away, but take revenge by beating him is something that the characters should not do.

This adventure involves the players discovering about the Simbolics (a special kind of Spirit, even more powerful than the Millenials) and their importance in the world. And about how one of them is looking for a successor, while things grows complicated in their home, the Christmas Village.

Saiba Mais (8171 palavras...)

Santa no Koujitsu (Trapaças do Papai Noel)

Cena 1 - A Praia e o Papai Noel

…“Atrás daquela cortina… Devenda-se uma praia Tropical”

As férias de verão do Colégio Ouran começaram, e o Host Club decidiu pela primeira vez tomar um rumo exótico, para os endinheirados alunos do Colégio…

Okinawa.

Afinal de contas, é um local exótico quando suas férias costumam ser nas ilhas do Caribe, Havaí ou no Mediterrâneo.

E como de costume, o clube mantem suas atividades de entreter suas clientes endinheiradas, como o Host Club, satisfazendo as “necessidades de suas clientes, apelando para os fanservices que fazem parte do mesmo. Peça que os personagens descrevam (e de preferência INTERPRETEM) os fanservices, declarando como eles se comportam diante das suas clientes.

Depois de algum roleplay inicial, na “barraca” do clube (na verdade, uma estrutura quase do tamanho de uma quadra de volei de praia em meio a uma praia altamente exclusiva) entrará uma pessoa em busca de ajuda.

Sanda Omasuda - 1° Ano

Herdeiro de uma Companhia de Brinquedos, “Eu não quero virar o Papai Noel!”

  • Perito (+2) em: Descobrir sobre brinquedos
  • Ruim (-2) em: Manter a calma

Sanda Omasuda é da mesma classe dos alunos de 1° Ano do Host Club e é conhecido por eles (ou por personagens com os devidos Estereótipos e que tenham os conhecimentos adequados): ele é herdeiro da Omasudaya Toys, uma companhia de brinquedos, que não é tão rico quanto a maioria, mesmo sendo sua empresa a distribuidora oficial no Japão de brinquedos de linhas como Lego ou Nerf. Ele é um aluno de certa forma normal, mas as pessoas acham o nome dele engraçado, e muitos como um pequeno Bullying o chamam de Santa-kun

Ele irá explicar que ele foi indicado por algum outro aluno que frequente o Host Club e dirá que ele está sob uma “Maldição antiga de Família”:

“Todos os anos, a Omasudaya Toys distribui em certos orfanatos, em especial na região de Hokkaido, brinquedos e cestas natalinas para crianças e pessoas necessitadas. Normalmente não distrubuímos coisas caras, já que seria proibitivo isso, mas é uma tradição antiga, desde que meu bisavô, Omasuda Sakuranbo1, fundou a companhia pouco depois da Restauração Meiji e da Abertura dos Portos.

Entretanto, existe uma Maldição sobre a minha família que meu pai só me revelou esse ano: se o Herdeiro falhar em organizar uma dessas distribuições em um ano, ele virará o Papai Noel pelo ano seguinte inteiro. E se falhar novamente, poderá ser permanente a transformação!!!!!”

Sanda exibe então a prova: uma antiga foto de seu pai, quando jovem, igual ao Papai Noel! A foto data do período próximo ao Ano 50 da Era Showa (1976), ou seja, por volta de 40 anos atrás. Qualquer teste identificará a foto como algo legítimo: a Foto está em papel fotográfico e, ainda que seja de melhor qualidade, ela possui o típico amarelamento pelo tempo, além das cores “chapadas” das fotos da época.

Sanda confirmará que a lenda familiar afirma que ele tem até a véspera do Natal para impedir que a transformação ocorra, segundo o que seu pai afirmou. Ele explicará que está acontecendo uma Greve de Estivadores no porto de Nagoya e de Caminhoneiros das empresas terceiras à Omasudaya que está impedindo que os brinquedos que devem ser distribuído cheguem: os kits de brinquedos são basicamente compostos por kits Lego e Plamos (Plastic Models, bonecos a serem montados pela pessoa) simples para crianças, distribuidos pela Bandai ou Mattel.

A conclusão a que o Clube chega é que eles terão que tomar alguma atitude quanto a isso… Ou lidar com Sanda como Santa

Cena 2 - O Clube entra em Ação

Provavelmente o clube tomará algumas ações para garantir que os brinquedos e doações sejam entregues a tempo em Hokkaido. Convença-os que apenas usar seus celulares não será o suficiente: vão ter que no mínimo dar a cara a tapa e garantir que os brinquedos cheguem.

Primeiro, para obter os brinquedos:

Não há a menor chance de que os mesmos sejam desembarcados “por fora”, ou seja, retirando por helicóptero: as autoridades da aduana não iriam gostar nem um pouco.

A Greve dos Estivadores é séria: eles demandam um aumento significativo nos salários. Como o Porto de Nagoya é o mais importante porto do Japão, isso certamente provocará impactos nos preços dos produtos que as famílias não apenas do Host Club, mas de todo o Colégio Ouran, negociam. Entretanto, personagens que tenham boas idéias e rolamentos ao negociar poderão chegar a um compromisso bom para todas as partes. Eles podem então, para agilizar as coisas, colocar um bom bônus para os Estivadores e para os trabalhadores do navio caso os containers da Omasudaya sejam rapidamente descarregados.

Um deles contem todos os brinquedos a serem descarregados, o que pode ajudar. Os Caminhoneiros transportadores desejam melhores condições de trabalho, como jornadas reduzidas, paradas em locais apropriados e segurança nas estradas. Novamente, tudo vai depender das habilidades de negociação dos personagens. Se os personagens conseguirem ir bem nas negociações, os Caminhoneiros poderão até mesmo auxiliar no transporte da carga.

Entretanto, conforme os personagens se aproximam dos acessos para Hokkaido, descobrirão que as Estradas estão cheias de gelo e neve, e que o mar está bravio e gelado, o que dificulta muito o transporte. Pior: as vilas em Hokkaido onde os personagens deverão entregar os brinquedos estão com as estradas obstruídas.

Os personagens poderão tentar vários modos para “entregar” os brinquedos:

  1. Usar helicópteros pode ser uma boa idéia, mas mesmo isso vai ser um pouco mais demorado, além de depender do uso de snowmobiles para chegarem às regiões;
  2. Auxiliar na desobstrução da estrada demoraria um pouco mais, mas ao liberar as mesmas isso auxilia no trânsito em geral: talvez procurar entre as clientes alguma cuja família trabalha com isso pode ser uma boa idéia, como uma ação de Criar Vantagem com dificuldade adequada;
  3. Se algum dos jogadores estiver usando Ritsu Kasanoda, ele pode recorrer aos kyodai e shatei (os pequenos e grandes irmãos) do Kasanoda-gumi para fazer isso, ou de outros gumi da região. Como uma atitude humanitária, uma ação assim não implicaria problemas com a lei, devido à cultura nipônica de aceitar os gumi da Yakuza como parte do tecido social (ainda que criminosa);
  4. Clubes de Esportes, em especial aqueles que sejam “exóticos”, como o clube de Snowmobile ou de Drift podem auxiliar, trazendo seus veículos envenenados para ajudar no transporte

E assim por diante: garanta que seja divertido para todos e pense em maneiras “absurdas” dos brinquedos chegarem. Por exemplo: por que não utilizar o Clube de Balonismo, ou o Clube de Atividades Extremas para isso. Se for divertido para todos, faça com que eles se dividam para chegarem à cidade e coloque todo tipo de obstáculos divertidos: animais selvagens, deslizamentos, montanhas escarpadas… Evite tornar as coisas mortais: isso aqui ainda é Bukatsu!, então os perigos servem mais como maneira de manter as coisas andando do que de matar algum dos personagens.

Cena 3 - O Clube no Natal!

…“Atrás daquela cortina… Estava a Cidade de Natal”

Algum dos jogadores pode ter a idéia de ajudar na entrega dos presentes (senão, utilize Pontos de Destino nos Aspectos corretos ou NPCs para dar a sugestão). A cidade onde eles chegaram é realmente pobre, pouco mais que uma vila, com uma pequena hospedaria e Sento (banho público japonês) do lugar, o que inclui o Onsen da região. Todos conhecem Sakuranbo Omasuda: ele nasceu nesse vilarejo, no final do Bakumatsu (a guerra feudal antes da Restauração), e que aproveitou as oportunidades em Edo na Abertura dos Portos para criar o negócio que viria a resultar no Omasudaya. Ele criou e mantem um orfanato que é basicamente a casa de todos os órfãos de uma região de 100 quilômetros de raio da cidade.

Enquanto o Host Club pensa nas idéias para como entregar os presentes e aproveitar o Natal nesse local frio, mas hospitaleiro, a família de Sanda chegará e conversará com o mesmo, que irá se ausentar por algumas horas.

Quando tudo estiver pronto, uma pessoa chega na cidade, começando a distribuição dos presentes.

O Papai Noel!

Personagens com bons rolamentos em Cuidadoso irão perceber que na verdade se trata de Sanda, mas sob uma maquiagem de nível cinematográfico fazendo ele parecer muito velho e bonachão.

Quando ele tiver um tempo, ele explicará a situação ao clube: na verdade, a “Maldição” é uma grande pegadinha que seu bisavô Sakuranbo estabeleceu, de que na primeira vez que organiza a entrega de brinquedos de Natal o Herdeiro deveria passar. Enquanto for o Herdeiro, e portanto não diretamente envolvido dos Negócios, Sanda (como seu pai antes dele) será o Papai Noel nesse evento.

Sanda, na realidade, está muito feliz nesse momento, pois essa “pegadinha” foi criada pelo bisavô para que os sucessores entendessem a importância da Omasudaya. Segundo dizem, o bisavô dele dizia que “Nos negócios 1 iene vale 1 iene. Na alegria das pessoas, ele vale 8000 ienes!”! O que é perceptível para os alunos do Host Club (talvez com a possível exceção de Haruhi, que é Pobre de Marré-Deci!): os brinquedos distribuídos não são chiques, mas mesmo uma simples bola de baseball ou de futebol já é o bastante para que as crianças se alegrem.

Por fim, deixe que o Host club (provavelmente se passando por Elfos do Papai Noel) ajudem na distribuição dos brinquedos, das cestas natalinas de roupas e comida, e participem de uma ceia tradicional da vila, com comidas natalinas e pratos da região. Quando todos tiverem saciados, eles verão alguns fogos de artifícios e flocos de neve caindo do céu…

… e um trenó passando pelo céu que “os levará a espiar, e ver se renas realmente podem voar!”2

  1. Easter Egg: Em japonês, Sakuranbo é o nome dado à cereja. Aqui a piada é que Cereja é um apelido para Geppeto no conto original do Pinnochio, pelo qual o mesmo odeia ser chamado: Cerejinha, mas acredito que o bisavô de Sanda gostava de ser chamado assim. 

  2. Um trecho de The Christmas Song: And every mother’s child is gonna spy / To see if reindeer really know how to fly 

Saiba Mais (1713 palavras...)

Renas podem voar?

A Companhia está na região do Ártico, uma vastidão de neve e frio, com alguns locais com vegetação. Eles vieram por algum motivo específico, talvez procurando pistas sobre seus Desejos do Coração, inclusive tendo ouvido falar sobre o Papai Noel e, quem sabe, com isso, procurando algum tipo de ajuda mágica (ou não). Eles param em um vilarejo local, próximo à Cidade de Natal, que eles conseguem avistar ao longe, quando a população local mencionará que os artesãos do vilarejo que trabalham na Cidade de Natal andam preocupados.

Caso a Companhia procure os mesmos, eles explicarão que o Papai Noel anda preocupado com o fato das renas não poderem voar esse ano. Eles explicarão que na realidade as renas do Papai Noel são renas como quaisquer renas que são encontradas nas clareiras e bosques da região, mas tratadas de uma maneira especial, com o uso de um composto mágico providenciado pelas Fadas para dar às mesmas as habilidades mágicas esperadas.

Caso os personagens procurem o Papai Noel, ele explicará que realmente ele seria incapaz de viajar o mundo sem recorrer ao Pó Mágico fornecido por uma Fada amiga, a Fada Torrão de Açúcar, que é misturado na ração das renas. Mas ela não pode ser encontrada nos últimos tempos, e o poder do Pó Mágico está expirando, o que torna perigoso para ele viajar pelos céus com a possibilidade de despencar para a morte. Mas se necessário ele o fará, ainda que coloque sua vida em risco:

“Não posso deixar de cumprir minhas obrigações no Natal, ainda mais quanto para muitas crianças veem em mim a única esperança de alguma felicidade. Mas prefiro evitar os riscos se isso for possível. Além disso, fico preocupado que tenha tomado alguma atitude que incomodou a Fada Torrão de Açúcar e me levou a perder sua amizade. Gostaria apenas de entender o que acontece.”

  • Problema: O Papai Noel precisa entregar os presentes, mas a fada que provia o Pó Mágico necessário para as renas voarem não entrou em contato esse ano;
  • Solução: Encontrar essa Fada e ver o que pode ser feito até o Natal
Saiba Mais (3272 palavras...)