Exemplo Desafio Fate Masters 4 - Natal - A Santa Claúsula

Extra: A Santa Claúsula (Santa Clause)

  • Permissão: ter vestido a Roupa do Papai Noel (conscientemente ou não da Santa Claúsula) e entrado no Trenó do Papai Noel; apenas uma pessoa em todo o mundo pode estar sob efeito da Santa Claúsula ao mesmo tempo
  • Custo: Conceito + um ou mais Aspectos

Cuidado com o que veste no Natal. Pode estar assinando a Santa Claúsula sem saber! Cuidado com o que veste no Natal. Pode estar assinando a Santa Claúsula sem saber!

Pai Natal, O Bom Velhinho, São Nicolau, Papai Noel… Desde tempos imemoriais, essa pessoa vem iluminando o final do ano para os mais pobres e as pessoas de bom coração, distribuindo presentes ao fim do ano, conforme a necessidade de cada um.

O que poucas pessoas sabem é que não existe um Papai Noel… Na verdade, todos os que passaram a ser conhecidos como Papai Noel são ou foram pessoas que aceitaram a chamada Santa Claúsula.

Sempre que acontece algo com a pessoa que é portadora da Santa Claúsula (que chamaremos de Portador), ela acaba desaparecendo (nunca fica claro se ela morre e se dissipa ou vai para algum outro lugar: isso fica a critério do Narrador). Dentro da Roupa do Papai Noel existe um pequeno cartão que identifica o mesmo como Papai Noel, Polo Norte e onde está escrito atrás: Se algo me acontecer, por favor vista a minha roupa. As renas saberão o que fazer. Caso uma pessoa o faça, ela verá que terá acesso ao Trenó do Papai Noel e às Renas, sendo que poderá fazer a entrega dos presentes de Natal (na verdade, se sentirá Compelido a Ajudar - isso torna-se uma Consequência Suave Mental durante a Noite de Natal). Ela poderá fazer as entregas, devido aos poderes da Roupa de Papai Noel (veremos adiante), e por fim será levada ao Polo Norte, onde os Elfos do Papai Noel irão falar sobre o acontecido.

Uma pessoa com um teste de Notar Épico (+7) pode detectar o texto em letras REALMENTE miúdas ao redor a qualquer momento. Ela traz os termos da Santa Claúsula, que podem ser lidos em idioma na qual a pessoa for nativa:

“Ao vestir a Roupa e entrar no Trenó, o portador desse abre mão de toda e qualquer identidade que previamente possuia, real ou inventada, e assume plenamente as funções e responsabilidades do Papai Noel, perpetuamente até que o portator torne-se incapaz de o fazer, seja por acidente ou desejo.”

De fato, é exatamente isso que acontece: no momento em que a pessoa veste a Roupa e entra no Trenó, aquele que o faz inicia um processo lento e gradual de transformação no Papai Noel. Apesar do que diz no cartão (com seu tom legalês), a pessoa não perde sua personalidade. Entretanto, aos poucos, sua personalidade e físico é magicamente ajustado para a forma do Papai Noel. No começo a pessoa pode começar a sentir um desejo incontrolável por leites e biscoitos (como diz a lenda), e seu cabelo começa a esbranquiçar. Com o tempo, porém, as transformações tornarão o alvo cada vez mais próximo da “forma ideal” do Papai Noel: ele conseguirá detectar de maneira imediata se uma pessoa está mentindo ou não para ele; as crianças se sentirão cada vez mais dispostas a conversar com ele; se ele já não tiver, sentirá aversão à violência e propensão à conciliação; e assim sucessivamente. Quando faltar um mês para o Natal, ele será conduzido novamente (e de maneira definitiva) à Cidade do Natal, para se preparar para o Natal.

Quando fala-se que o personagem abre mão de toda e qualquer identidade que previamente possuia, não é verdade, ou ao menos não totalmente. Em termos de regra, até o momento em que o personagem for levado novamente à Cidade do Natal, ele deverá reescrever seu Conceito e pelo menos um de seus demais Aspectos (de preferência um que vá diretamente contra ao que se espera do Papai Noel) para serem condizentes com seu novo Estado. Ele não esquece o que o é, mas ele se sente mais a vontade sendo o Papai Noel.

Ser o Papai Noel é uma Grande Responsabilidade, com poderes condizentes:

  • O personagem passa a ser considerado como tendo Recursos Lendário (+8), mas apenas para fim de obter presentes ou coisas que sejam importantes para o seu “trabalho”;
  • Ele recebe uma série de Façanhas, que veremos abaixo. Se ele tiver previamente alguma delas, ele recebe +2 nos testes a envolvendo ou o poder da mesma aumenta (oferecendo mais itens, Invocações Gratuitas, etc…), caso ela não demande rolamentos;
  • Ao utilizar qualquer Façanha listada como Façanhas do Papai Noel, ele pode, uma vez por cena, gratuitamente aumentar em um o nível de sucesso obtido (de Falha para Empate; Empate para Sucesso e Sucesso para Sucesso com Estilo), de maneira similar ao Outcome Surge de Masters Of Umdaar. Usos adicionais na mesma cena podem ser feitos, mas ao custo de um Ponto de Destino;
  • O Personagem recebe +2 em todos os seus testes de Empatia envolvendo Crianças. Além disso, se sua Empatia for menor que Ótimo (+4), ele passa a ter esse nível de Empatia, sem prejuízo à sua Pirâmide;

Façanhas do Papai Noel:

O Papai Noel, em sua função, recebe as seguintes Façanhas listadas no Fate - Módulo Básico:

  • Comunicação: Boa Impressão, Demagogo (restrito a boas ações), Popular;
  • Condução: Pé na Tábua, Preparar para o Impacto! (restritos ao uso do Trenó);
  • Conhecimento: Já li sobre isso, Escudo da Razão
  • Contatos: Ouvido Atento (apenas quando envolver crianças), Peso da Reputação (mas invocando a idéia do Bom Velhinho)
  • Empatia: Detector de Mentiras, Faro para Problemas (apenas envolvendo crianças), Psicólogo
  • Enganar: Jogos Mentais (apenas para levar alguém a se regenerar - ou seja, para Derrotar pessoas más)
  • Furtividade: Mais um na multidão (apenas contra Adultos)
  • Ofícios: Sempre Criando Coisas Úteis, Melhor que Novo
  • Percepção: Perigo Iminente, Leitura Corporal
  • Recursos: Dinheiro Fala Mais Alto, Fundos de Investimento (mas usando presentes no lugar de dinheiro)
  • Roubo: Sempre há uma saída
  • Vigor: Saco de Pancadas (sem receber estresse em caso de Empate), Resistente como Aço (sem limite de número de Vezes)
  • Vontade: Determinado, Duro na Queda, Indomável

Como se não bastasse tudo isso, ele ainda recebe algumas Façanhas especiais dele:

  • Piscar: Funciona como Invisibilidade Ninja, mas sem precisar de nenhuma explicação. O Papai Noel simplesmente “pisca” e desaparece em meio da multidão
  • Aura da Paz: Enquanto o Papai Noel estiver em uma Zona, todo personagem deverá passar em um Teste de Superar de Vontade, contra a Vontade do Papai Noel, para realizar qualquer tipo de Ataque. Se o Papai Noel for bem sucedido em sua Defesa, o alvo sofre o equivalente a uma Consequência Moderada, que durará ao menos até o amanhecer do dia de Natal, impedindo-o de agir de maneira violenta contra qualquer pessoa;
  • Presente ou Carvão: o Papai Noel é capaz de perceber naturalmente se uma pessoa é boa ou não. Ele recebe +2 em todos os seus testes de Criar Vantagem por Empatia para descobrir se uma pessoa é bom.
  • Olhos sábios: o Papai Noel pode provocar uma espécie de Ataque Mental que impede que uma pessoa seja má, ao menos por um tempo. Esse Ataque é por Empatia, e o alvo pode resistir por Vontade naturalmente. Entretanto, se o alvo sofrer uma Consequência Mental, o Papai Noel pode obrigar, ao custo de um Ponto de Destino, que o personagem reescreva um Aspecto qualquer que seja ruim ou, se o mesmo precisar absorver uma Consequência Severa, reescrever seu Conceito.
  • Espremer-se: Não importa o quão pequena seja a fresta ou a chaminé: se for necessário passar por ela, o Papai Noel consegue. Quando for entregar os presentes (ou situações similares ao custo de 1 Ponto de Destino), o Papai Noel passa a ter Atletismo Lendário (+8) e não pode ter nenhum Aspecto de Cena relativo a dificuldades de entrar-se em uma Zona Forçados contra o mesmo

Aspectos da Santa Claúsula:

O Papai Noel é poderoso, mas também está sujeito a uma série de problemas. Em especial, ele é sujeito a uma série de Aspectos ligados à Santa Claúsula:

  • Sempre preocupado com crianças e menos favorecidos
  • “Paz na Terra aos homens de boa vontade”
  • Gordo e Roliço, um velho elfo alegre
  • Rápido como o Relâmpago, silencioso como um rato
  • Um Emissário da Paz e da boa vontade

Esses Aspectos passam a ser adicionados aos do próprio personagem e poderão ser usados normalmente pelo mesmo enquanto ele for o Portador da Santa Claúsula.

Extra: O Trenó do Papai Noel

  • Permissão: A pessoa tem que ter vestido a Roupa do Papai Noel e/ou ser Portador da Santa Claúsula
  • Custo: Especial - É pré-requisito para ser o Portador da Santa Claúsula (de maneira consciente ou não)

O Trenó do Papai Noel é certamente o veículo mais rápido do nosso mundo. Afinal de contas, o Papai Noel deve passar nos lares de 7 bilhões de pessoas (o Papai Noel, apesar de tudo, não faz distinção de nenhum tipo, exceto se foram boas ou más). Na realidade, o tempo vai seguindo um fluxo diferente, não importando o que seja. Ele SEMPRE irá estar a tempo de entregar os presentes, não importa o que aconteça.

Em termos de regra, o Trenó demanda testes de Condução Ótimo (+4) , mas em compensação ele é O Trenó que leva você aonde quiser, instantaneamente.

  • O personagem recebe +2 para Superar com Condução qualquer obstáculo que envolva chegar em qualquer lugar necessário, não importa o quão inacessível, e não pode ter Aspectos de Cena que o impeçam Forçados contra ele;
  • Não importa quanto peso o mesmo carregue, Nada é capaz de frear o trenó do Papai Noel. Desse modo, nenhum Aspecto envolvendo questões de peso podem ser usados contra o mesmo. Além disso, ele possui quatro níveis de Estresse antes de ser derrotado.
  • O Trenó, em conjunto com a Roupa do Papai Noel, são o gatilho da Santa Claúsula

O Trenó do Papai Noel segue a forma de criação de Talismãs (Talismans) de Nest

Extra: a Roupa do Papai Noel

  • Permissão: Outra pessoa só pode vestir a mesma quando o Portador da Santa Claúsula for Derrotado
  • Custo: Especial - É pré-requisito para ser o Portador da Santa Claúsula (de maneira consciente ou não)

A Roupa do Papai Noel é icônica: qualquer pessoa no mundo consegue reconhecer as calças vermelhas e aveludadas, com detalhes ocasionais verdes e dourados e a casaca vermelha com detalhes brancos junto com o gorro semelhante. A Roupa do Bom Velhino é muito mais que um traje bonito e fofo, que chama a atenção ao redor do mundo, chamando a atenção de crianças e adultos ocasionalmente. Ele é um dos itens que mais ajuda o Papai Noel!

  • A Roupa do Papai Noel é capaz de suportar qualquer tipo de frio, não importa se ele tenha natureza natural ou mágica. O personagem recebe +2 em todas as suas Defesas relacionadas com o frio, e mesmo em caso de falha ele pode ser bem sucedido a um custo mentor
  • A Roupa do Papai Noel é automaticamente reconhecível por crianças, que irão fazer de tudo para serem bem comportadas com você. O personagem recebe +2 em todos os seus testes de Criar Vantagens e Superar ao lidar com Crianças
  • A Roupa, em conjunto com o Trenó do Papai Noel, são o gatilho da Santa Claúsula

A Roupa do Papai Noel segue a forma de criação de Talismãs (Talismans) de Nest

Extra: o Saco do Papai Noel

  • Permissão: Só pode ser usado pelo Portador da Santa Claúsula
  • Custo: Nenhum

O Enorme Saco de presentes do Papai Noel é o mais importante de todos itens do Papai Noel, pois ele é o Saco de Presentes que tem tudo o que as pessoas precisam. Normalmente aparenta ser enorme, ao ponto de ficar na parte de trás do Trenó do Papai Noel, entretanto ele pode conter coisas ainda maior que ele!

  • Sempre que o Papai Noel precisar tirar algo realmente útil, não importa quanto, ele recebe +2 em seu teste de Recursos e, caso falhe, pode ser bem-sucedido a custo menor.
  • Se o Papai Noel precisar , ele pode, com um Ponto de Destino, substituir qualquer teste pode um teste de Recursos usando o Saco do Papai Noel, desde que ele seja capaz de justificar.

O Saco do Papai Noel segue a forma de criação de Talismãs (Talismans) de Nest

Ganchos para Aventuras

  1. Um dos personagens assinou a Santa Claúsula sem saber, e agora deseja “revogar” a Santa Claúsula, pois não deseja abandonar sua família. Os elfos afirmam que é possível transferir a Santa Claúsula para uma pessoa que se voluntarie, e que seja pura de coração e mantenha a crença no Espírito de Natal, mas como conseguir alguém nos Nossos tempos cínicos?
  2. De tempos em tempos, o Portador da Santa Claúsula deve passar adiante o bastão para uma pessoa adequada. Entrentanto, diz a lenda que, caso chegue um Natal onde não aja o Papai Noel, o mundo se tornará de vez um Local Amargo e Sombrio. Como impedir que essa lenda aconteça? E como convencer que ela está destinada a ser o Papai Noel?
  3. O personagem Portador da Santa Claúsula tem um filho, e ele está na Lista dos Malvados. Por que justo o filho do Papai Noel está nela? E que consequências isso pode ter, tanto para o Papai Noel, quanto para o filho dele, quanto para as crianças ao redor do mundo?

Tu’an-Yao

Informações Iniciais

  • Bioforma: Usato (Homens-coelho) - Mutabeast
  • Classe: Monge

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito: Um Sábio Monge Usato com poderes mentais
Motivação: Preciso descobrir mais conhecimento para proteger as pessoas
Pessoal: Sede de viagem
  Naya possui a Força para mudar o mundo… Mas falta-lhe a Sabedoria

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil: Razoável (+2)
Cuidadoso: Razoável (+2)
Esperto: Bom (+3)
Estiloso: Medíocre (+0)
Poderoso: Regular (+1)
Sorrateiro: Regular (+1)

Façanhas: [Recarga: 2]

  • Dobrar Mentes: Pode usar Esperto para Atacar. Em caso de Sucesso com Estilo, pode descobrir um Aspecto do Alvo com Invocação Gratuita ao invés de receber um Impulso. Nunca fica Desarmado
  • Leitor de Mentes: Pode usar Cuidadoso para Criar Vantagens para descobrir a natureza verdadeira de seus inimigos. Ao descobrir um Aspecto em um alvo, passa a receber +2 ao Descobrir ou Criar Vantagens de Maneira Esperta no mesmo alvo.
  • Precognição: Uma vez por cena, quando Defender-se de maneira Cuidadosa contra armadilhas ou uma ameaça estática, pode utilizar Outcome Surge para o resultado;
  • Pernas Poderosas: Em Disputas ou Cliffhangers, recebe +2 ao Superar obstáculos Físicos ou Criar Vantagens;

Histórico

O povo Usato é um povo em geral pacífico que vive em uma região afastada, no Vale Verde, em comunidades quase que autosuficiente.

Entretanto eles nunca fecharam os olhos ao sofrimento e à maldade de fora. Ocasionalmente, em muitos locais do mundo, batedores, guerreiros, ladinos e monges Usato podem ser vistos.

São facilmente reconhecíveis pelos longos pés, pernas musculosas que lhe dão força para saltar e chutar, olhos com grandes pupilas, muitas vezes albinos, rostos com focinhos enormes e grandes narinas, que lhes permitem ocasionalmente discernir cheiros (nos mais treinados) e orelhas que algumas vezes correspondem a um quinto de sua altura real, o que é bastante considerando que o Usato típico não tem mais que 1,60 de altura (desconsiderando-se as orelhas).

Tu’an-Yao é um desses monges: desde que terminou sua instrução básica de monge, dominando alguns poucos poderes mentais, ele foi enviado pela própria ordem, para recolher conhecimentos de todos os tipos que os Usato possam usar para melhorar sua vida e a de outros povos próximos ao Vale Verde.

Ele já atravessou muitos locais, e viu criaturas de todos os tipos, incluindo todas as coisas que foram deixadas para trás pelos eventos do passado. Ele inclusive descobriu amigos, como Naya, a Caçadora de Recompensas, à qual se aliou após eventos em que ele teve que salvá-la. Como ele não é um combatente dos mais proficientes, ele decidiu que era uma boa idéia manter-se ao lado de Naya.

Tu’an-Yao tem altura mediana para um Usato, portanto tem em torno de 1,65m de altura total, incluindo os mais de 30cm de orelhas. Ele não é tão esguio quanto o Usato típico, que mais parece com um homem-lebre do que com o homem-coelho que é Tu’an-Yao, mas ele é muito mais ágil do que aparenta. Sempre se veste com roupas leves em cor azul. Seus olhos possuem pupilas enormes de um verde esmeraldino, que se contrapõe à mancha cinza no pelo sobre o olho direito. Não possui muito equipamento, à exceção de uma série de pequenos tomos onde anota os acontecimentos de suas viagens e uma chakram presa à cintura, que usa para defesa.

Tu’an-Yao é pacífico em geral e procura resolver as coisas com a sua mente, na qual confia mais: não apenas possui conhecimento o bastante, mas ele confia muito em suas habilidades como negociador e nos seus poderes mentais. Não suporta injustiça e em seu coração existe um espaço especial aos mais fracos. Em compensação, existe uma chama de fúria escondida nos olhos esmeralda dele que explode quando ele vê poderosos abusando dos mais fracos: os Usato são conhecidos como guerreiros perigosos quando “colocados contra a parede”.

Questionamentos e Alternativas às Abordagens no Fate Acelerado

Lembrei-me recentemente dos meus comentários sobre esse post escrito por John Rogers no Google+ ano passado e me peguei pensando sobre o assunto. Desde que nós publicamos o Fate Acelerado, ou FAE, eu percebi que esse jogo tem dividido opiniões. Algumas pessoas o amam de paixão, enquanto outros realmente estão de saco cheio do mesmo e alguns poucos estão confusos quanto a ele ser considerado Fate Básico ou algo à parte (como fica evidente nas ocasionais threads “Fate Básico versus Fate Acelerado” que eu vejo por aí, como se eles de fato fossem opostos).

Para deixar claro (de novo), o FAE é Fate Básico. Ele tem suas engrenagens ajustadas de uma maneira deliberadamente diferente dos padrões apresentados no Básico (que foram ajustado para a campanha exemplo dos Caroneiros de Asteróides que foram usados no exemplo do Básico). Essa direções deliberadamente diferentes foram todas focadas em velocidade e suporte para uma grande quantidade de personagens diversos, alguns quase idênticos e outros muito diferentes. Ela deixa de lado algumas das opções mais complexas do Básico em favor da simplicidade, e procura ter um pouco mais de linhas-mestras, como exemplificado na criação de Façanhas, sempre focando na velocidade e facilidade. Isso nos oferece um chassis bem simples que pode ser usado em uma grande variedade de produtos isolados baseados em Fate, já que estamos falando de em torno de 12 mil palavras, contra as quase 90 mil do Fate Básico. Apesar de todas essas intenções, não vejo como elas são um desvio tão grande do Básico (Não quer dizer que não hajam desvios, apenas que os mesmos são menores).

Acho que o ponto do FAE que realmente frita os neurônios das pessoas, na realidade, são as Abordagens.

Olhando bem por cima, elas são simplesmente uma maneira de oferecer uma lista ainda menor de perícias que os padrões que o Fate Básico encoraje, na casa de 2 a 3 vezes. Novamente, uma escolha deliberada com o objetivo de reduzir o tamanho do texto. Eu amo listas curtas de perícias, pois acho fácil de trabalhar com elas, mais facilmente verificáveis, e elas se aproximam mais do que comumente chamamos de “atributos” na maioria dos jogos.

Quando eu estava trabalhando em conjunto com o autor do FAE, Clark Valentine, entretanto, pensei que essa seria uma ótima oportunidade para mudar o tipo de questão (mais ou menos) que as perícias costumam responder no jogo. Particularmente quanto ao modo como elas suportam uma gama de personagens de outra forma completamente similares (como bárbaros de um mundo sem Norte) ou personagens completamente diferentes (heróis de diversos tipos de gêneros e mundos alternativos por todo o tempo e espaço - se ajudando como um time)

E essa é a mudança de paradigma, que, como qualquer mudança de paradigma deve ser, é enorme e potencialmente assustadora. Por isso, a idéia das Abordagens assusta as pessoas que vêem o FAE pela primeira vez, e acho que essa primeira impressão é que determina se as pessoas irão amar ou odiar o modo Acelerado das coisas, tornando-se a principal característica que define o FAE para muitas dela.

A questão é que essa é a coisa mais simples do mundo modificar isso, mantendo o resto do FAE intacto. Quando você faz essa troca, não existe muito mais o que mudar, desde que você se mantenha perto da pequena “lista de perícia” que as Abordagens enxugaram em seis. Não importa se você vai usar, por exemplo, quatro ou oito. E uma vez que você decida pela quantidade e que tipo de pergunta as abordagens/perícias respondem, então você já terá praticamente terminado (a única coisa que faltará é dar alguma atenção em como isso vai mudar os estilos de Façanhas).

Então, vou apresentar agora um guia rápido (ao menos para mim) em no que pensar quando for manter todo o resto do trabalho muito bom do FAE, mas for mudar as Abordagens padrão para alguma outra coisa.

Quantidade

A Quantidade é a característica mais fácil de ajustar, então vamos nos livrar dela rapidamente. o FAE trabalha com um pico de +3 (Bom) para o melhor nível de todos, e é uma boa idéia se manter nesse valor, no meu ponto de vista. De maneira geral, você terá metade de suas habilidade em +1, metade em +2, e tentão reservará uma para +0 e uma para +3, para delinear os parâmetros que realmente separam seu personagem dos demais. Portanto aqui temos a distribuição “balanceada” que recomendaria para de quatro a oito abordagens (sendo seis o padrão)

4 Perícias 5 Perícias 6 Perícias 7 Perícias 8 Perícias
+3 +3 +3 +3 +3
+2 +2 +2 +2 +2
+1 +1 +2 +2 +2
+0 +1 +1 +1 +2
  +0 +1 +1 +1
    +0 +1 +1
      +0 +1
        +0

Quando você tem quantidades ímpares, costumo o total de +1 como ímpar, mas você pode fazer o mesmo com +2 se desejar. E você pode sempre decidir desequilibrar se desejar, dependendo de o quão compentende os seus personagens serão no ínicio da campanha. Em quantidades maiores você poderá desejar adicionar um pico ainda maior ou mais uma abordagem nos níveis de delineamento.

A Questão

Quando modificar suas Abordagens, a maior mudança não tem a ver com a quantidade, claro, e sim com A Questão. Em todos esses anos, os atributos e perícias tem sido usados como uma pergunta de “o que?”, como em “o que o seu personagem faz?” As Abordagens como oferecidas no FAE nadam contra a corrente do paradigma padrão e ao invés disso perguntam “como o seu personagem faz as coisas?”. Mas essas não são as únicas questões que podem ser feitas, então vamos ver outras delas.

Abordagens: Como?

O Conjunto padrão de Abordagens do FAE - Ágil, Cuidadoso, Esperto, Estiloso, Poderoso e Sorrateiro - não se preocupa com o que o seu personagem faz, mas sim com como ele faz.

Isso tende a funcionar bem com personagens ficcionais devido ao fato das características de personalidade dos mesmos alinhar as ações destes. Um personagem que costuma derrubar portas na base da força bruta tenderá também colocar uma atitude de força em seus argumentos e por aí afora. Ao desconectar o como do o que, você cria uma forma de diferenciar personagens que são similares no método de agir (afinal de contas, são todas princesas das fadas) e focar, de fato, em como eles resolvem essas coisas de outra maneira similares de formas diferentes (como a quieta, a impulsiva, e assim por diante). Isso também faz com que você tire do caminho o o quê, quando isso envolver personagens que são completamente diferente (eu sou um Lobisomem, ela pilota um mecha de mais de 15 metros, ele é um cientista de ação) e dá uma medida de como os personagens dão o show de uma maneira mais ou menos equilibrada (veja só, eu viro um lobo, ela derruba prédios, e ele é um mago quando está com seu conjunto de química, mas e daí? Somos parceiros aqui, já que ela lida com coisas estilosas e poderosas, eu lido com coisas rápidas e sorrateiras, e ele se vira de maneiras cuidadosas e espertas).

Sua melhor aposta ao mexer no FAE, portanto, é manter-se na questão do como. Mas você não precisa se manter com as Abordagens padrão. Outros sistemas por aí utilizam coisas que se aproximam do como, particularmente aqueles os powered by Apocalypse1. Considere os atributos Cool, Weird, Sharp, Hot e Hard de Apocalypse World. Sem sombra de dúvidas eles representam bem menos o quê e bem mais como no meu ponto de vista (da mesma forma que os Alinhamento de D&D, por Deus!)

Quando você se mantêm com o Como, você também irá se manter (quase certamente) com o modelo padrão para o primeiro estilo de Façanhas do FAE (matemátíco, +2):

Como eu [descreva o que você é, tem, ou faz de excepcional], recebo +2 quando [Escolha entre: Atacar, Criar Vantagem, Superar e Defender] de maneira [escolha entre: Ágil, Cuidadosa, Esperta, Estilosa, Poderosa, Sorrateira] quando [descreva a circunstância desejada]

Nem todo como pode ser traduzido facilmente para um advérbio apenas emendando um -mente na frente do mesmo, portanto você vai ter que lidar com um pouco de kung-fu linguístico aqui… Quero dizer, com certeza você pode dizer Maneiramente, Estranhamente, Precisamente, Gostosamente e por aí afora, mas pode não ficar claro o que você quer dizer. Uma forma interessante de dizer isso pode ser como em de uma maneira X.

Atributos e Perícias: O que?

“O que meu personagem é capaz de fazer?” é provavelmente a questão com a qual somos mais confortáveis, pois é aquela com a qual estamos mais acostumados. Quando a lista é pequena, desse modo sugerindo aos jogadores para explicitamente definir os níveis de cada ao invés de simplesmente deixar algumas delas de lado, tendemos a pensar nelas como atributos muito mais do que em perícias, embora a diferença entre elas seja muito mais de granularidade do que de função.

Sobre onde você encontra listas de atributos que pergunte o “o que”, por aí: talvez você conheça a lista de Força, Destreza, Constituição, Inteligência, Sabedoria e Carisma. Esses atribuitos são bem orientados no “o que”: as três primeiras dificilmente saem do uso físico, enquanto as outras três dificilmente fogem do uso mental ou social. Quando elas o fazem é por meio de determinadas circunstâncias especiais, como uma característica de sua classe ou uma habilidade mágica, ao invés de ser o comportamento padrão do atributo.

Quando isso aparece afetando Façanhas, os atributos “o que” também so mais similares a objetos, coisas que o personagem possui, então a estrutura linguística foca-se de maneira bastante direta no uso do seu atributo, como em “quando eu uso meu…

Porque eu [descreva o que você é, tem, ou faz de excepcional], recebo +2 quando eu uso minha [Escolha entre: Força, Destreza, Constituição, Inteligência, Sabedoria e Carisma] para [escolha entre: Atacar, Defender, Criar Vantagens, Superar] quando [descreva a circunstância desejada]

Uma vez que os atributos são orientada no “o que” eles já são bem restritivos, e em muitos casos eles não demandarão muita ênfase na parte do modelo relativo às circunstâncias, mas essa será uma decisão a ser tomada caso a caso.

Profissões: Quem?2

Aqui é onde começamos a fazer algumas perguntas novas - não no sentido de que nunca tenham sido feitas antes, mas novas no sentido de que elas nunca foram muito usadas no setor. As Profissões perguntam “Quem sou eu?”, o que casa bem com a idéia de um Jogo de Interpretação de Papéis. Elas envolvem a idéia de que todos os personagens de um grupo preenchem vários papéis em um time, em níveis variados de eficácia, com o personagem que é “o cara” naquele papel tendo os níveis mais altos na Profissão relacionadas. O RPG Leverage é particularmente eficiente ao mostrar uma lista de profissão diretamente dos Créditos de Porradeiro, Hacker, Ladrão, Trapaceiro e Chefão. Mas vocẽ poderia se sentir à vontade com papéis de Guerreiro, Curandeiro, Mago, Detetive, Ladrão e Diplomata… Ou quaisuqer outros papéis que sejam interessantes, até o ponto em que você sinta que sua lista cubra de maneira adequada o conjunto de papéis e atividades que um time deverá preencher e executar ao longo do jogo.

No caso das Façanhas, a linguagem usada provavelmente ficará mais natural quando enxergarmos cada papel como um chapéu que o personagem usa para indicar que ele está exercendo a atividade aplicável, usando uma construção do tipo “como eu sou…”.

Como eu [descreva o que você é, tem, ou faz de excepcional], recebo +2 quando [Escolha entre: Atacar, Criar Vantagem, Superar e Defender] ao agir como um [escolha entre: Guerreiro, Curandeiro, Mago, Detetive, Ladrão, Diplomata] quando [descreva a circunstância desejada]

Já que todos irão possuir níveis na maior parte das Profissões listadas, o método de Profissões é melhor aplicado quando você deseja apresentar um grupo hipercompetente de aventureiros. Isso com certeza é um ponto de partida para uma experiência de sistema onde cada personagem irá preencher apenas um ou dois desses papéis, no máximo, embora eu realmente amaria a idéia de um jogo de D&D onde todos pudessem ter um pouco de Mago ou de Guerreiro a qualquer momento, mesmo que não fosse sua especialidade.

Relacionamento: Com quem ou com que lugar?

Quando você move a pergunta “o que” para fora do personagem e ao invés disso olha para os personagens com os quais os PCs estão interagindo, você passa a ter relacionamentos. Eles podem ter nomeamentos de relacionamentos específicos nomeando cada personagem e o quão potente é essa ligação, se você quiser que tudo gire ao redor das interações entre os PCs, como vemos nos relacioamentos adotados no RPG de Smallville, focados na vibe da “Novela Adolescente com Superheróis”. Mas esses podem ser apresentados de maneiras mais amplas ou abstratas, focadas em um estilo PCs interagindo com o mundo.

Existem muitas formas de fazer isso. Você pode focar em grupos, nivelando sua reputação/envolvimento com várias facções. Você pode focar-se nos grandões que definem o mundo, definindo a força das suas ligações com os Deuses ou Ícones do cenário. E você pode simplesmente abstrair as coisas, apresentando tipos de relacionamentos, como visto nas afiliaçoes Solo, Parceria e Time do Marvel Herioc, que foca no quão bem o seu personagem é conforme você se ajunta a outros personagens. Você também pode partir de um eixo Aliado, Amigável, Neutro, Hostil e Inimigo, talvez apesar que tenho certeza que aqui existe uma tentação muito forte de focar-se em Hostil e Inimigo, o que pode desafiar a idéia geral de grantir que todos os tipos de relacionamento recebam uma importância aproximadamente igual no jogo.

Para as Façanhas, elas vão estar totalmente relacionadas com os relacionamentos nos quais você for pretender as usar.

Como eu [descreva o que você é, tem, ou faz de excepcional], recebo +2 quando [Escolha entre: Atacar, Criar Vantagem, Superar e Defender] [em conjunto/contra] [escolha o relacionamento] quando [descreva a circunstância desejada]

Valores: Por que?

Quando seus substitutos às Abordagens se focam na pergunta “Por que meu personagem faz isso”, eles se tornam valores. Essa é uma mudança de paradigma similar ao do “como?” das Abordagens, no fato de ela deixar de lado a idéia de capacidade e ao invés disso se focar nos métodos e motivações do personagem. Dever, Amor, Glória, Poder, Verdade e Justiça do RPG de Smallville é um dos exemplos mais poderosos que existe, embora você também possa querer observar outras fontes de listas de valores, como as de Pendragon. Os diversos estados emocionais, como Raiva, Alegria, Nojo, Tristeza e Medo podem funcionar também.

No caso das Façanhas, você apenas vai precisar dizer o porque faz as coisas, de maneira clara.

Como eu [descreva o que você é, tem, ou faz de excepcional], recebo +2 quando [Escolha entre: Atacar, Criar Vantagem, Superar e Defender] [em concordância/devido ao/por ter o valoe/por causa de se ter][escolha entre: Dever, Amor, Glória, Poder, Verdade e Justiça ] quando [descreva a circunstância desejada]

Combinações

Como uma nota final desse post, vamos falar sobre algumas idéias que você pode querer usar combinando questões.

Modos: Um dos modos potenciais de combinar-se Abordagens é usando Modos, como encontrados no Ferramentas de Sistemas do Fate e, de maneira mais extensiva, no Atomic Robo RPG. Os modos lhe dão uma forma de ver o personagem em um alto nível, por meio de uma lista pequena, mas que depois permite você especializar os modos individualmente para uma maior granularidade. Você pode fazer isso combinando duas questões no mesmo sistema: seus modos podem-lhe questionar o “quem?” e o “como?” - usando Profissões ou Métodos - e então as perícias neças contidas podem lhe perguntar “o que?”. Você pode, claro, mudar quais perguntas são respondidas em cada uma das camadas. Imagine uma lista de modos que, em essência, representam mentores disponíveis aos personagens (Dumbledore, Snape, Hagrid…), cada um deles contendo uma lista de perícias que perguntam o que eles lhe ensinaram. Ou modos que são valores, contendo facções - você pode ser bom em Raiva e ainda mais efetivo ao utilizar essa raiva com os Teimosos, mas menos efetivo contra os Malucos ou os Piratas.

Duas Colunas: Rob Donoghue postou anteriormente sobre o uso de duas colunas em Fate. Isso traz um pouco dos truques de perguntar duas coisas do Cortex Plus (“Que valores eu tenho? O que importa para mim?” = Smallville; “Quem é você no time? Quais são suas forças?” = Leverage) e lhe oferece muitas possibilidades quanto ao que acontece quando você mistura duas dessas respostas juntas. Embora isso demande um pouco mais de matemática antes do rolamento, isso pode parecer mais rico e interessante para certos tipos de jogadores

O truque principal é garantir que o melhor e o pior resultado possǘieis não estourem a faixa na qual você deseja que o sistema permaneça. Dito isso, se for razoavelmente raro que alguém combine suas duas resposta de nível mais alto conjuntamente, você pode elevar o “limite efetivo” do sistema em 1 sem comprometer demais o sistema. Esse combo da melhor situação possível deve ser o momento onde o personagem vai realmente mostrar quem ele é.

Portanto para uma abordagem de duas colunas, eu provavelmente definiria cada uma entre +0 e +2, com a maior parte das coisas em +1. Mas você pode não querer que as mesmas questões tenham o mesmo nivelamento. Você pode querer que algumas tenham uma faixa entre -1 e +1, combinando com um conjunto que teria +0 a +3, o que expandiria a faixa de valores normais de FAE de +0 a +3 para -1 a +4, mas sem realmente quebrar o sistema. Você pode também querer trabalhar com a faixa: uma delas você pode querer dar +0 e +1s, distribuindo-os igualmente pela metade, enquanto na oitra você irá de +0 a +2 ou até mesmo a +3.

Acima de tudo, entretanto, é fundamental testar o que você está fazendo no seu hack, portanto garanta ter feito os testes adequados. :-)

  1. NT: Aqui no Brasil, representados atualmente pelo Dungeon World, publicado pela Secular Games 

  2. NT: No artigo original, foi utilizado o termo Role, que pode ser traduzido como Papel. Entretanto, para enfatizar o exemplo e oferecer um termo já conhecido pelo RPGista brasileiro, através de Jadepunk, publicado pela Pensamento Coletivo, preferi traduzir o termo Role nesse texto como Profissão 

Saiba Mais (3117 palavras...)