Introdução Ao Fate - Parte 7 - Resolução de Ações: As Quatro Ações e As Quatro Resoluções

Publicado Originalmente no Site da Dungeon Geek

Agora que já falamos um tanto sobre as regras básicas e a criação de personagem, podemos falar sobre a parte de resolução de ações.

Nota: Utilizaremos a ficha de nossa Fada Madrinha Helen Hemingway, que mostramos quando falamos da Criação de Personagens em Fate, em nosso cenário de Fantasia Urbana Fae Guardians

Quando rolam-se dados?

Como em todo RPG, Fate utiliza regras para determinar se o personagem foi bem-sucedido ou não em situações relevantes de maneira dramática. Os rolamentos costumam ser pedidos pelo narrador em situações onde o sucesso e/ou a falha do personagem em suas intenções for dramaticamente interessantes.

Você não vai pedir para o personagem rolar toda e qualquer situação: desde que não exista nenhum outro impedimento, um personagem pode realizar qualquer ação comum que um Aspecto ou perícia dele justifique, sem precisar de rolamentos, se isso não oferecer situações interessantes para a história.

Por exemplo: o Super-Homem pode voar de Gotham para a Fortaleza da Solidão sem precisar de rolamentos, pois ele é O Último Filho de Krypton, e voar é parte de suas habilidades que lhe são Permitidas enquanto Kryptoniano (lembra-se de permissões e Custos, quando falamos de extras?), se isso não tiver relevância dramática para a história. Basta declarar e está tudo bem.

Entretanto, caso ele precise voar com pressa para buscar algum item especial kryptoniano, aí ele precisa rolar alguma perícia (pode ser mesmo Atletismo, dependendo de como o voo funcionará), já que existe o drama de recuperar a tempo o item necessário. Afinal, uma demora pode dar a chance de o vilão provocar muita destruição (parte da Falha.)

Recapitulando rolamentos, As Quatro Ações e as Quatro Resoluções

Rolamentos em 30 segundos

  • Declare a ação desejada e verifique seu impacto na narrativa
  • Determine o tipo de ação e a perícia/abordagem/etc… a ser usada no rolamento
  • Role 4 Dados Fate e some a perícia usada
  • Compare o resultado final com a dificuldade determinada
  • Caso aplicável, modifique o rolamento usando Façanhas, Pontos de Destino, etc…
  • Narre o resultado final

A primeira coisa a declarar-se a ação a ser realizada e se existe impactos interessantes do sucesso e da falha na ação pelo personagem. Caso não exista, decida arbitrariamente o resultado da mesma, sem necessidade de rolamentos. Se for o caso, pagar 1 Ponto de Destino pode oferecer um sucesso automático em uma situação com pouca consequência dramática.

Exemplo: Helen Hemingway está sendo testada por uma das Suseranas das Fadas Madrinhas, Mirana, e ela decide que Helen deve “Curar a dor de um coração puro” para mostrar que é digna de receber novas informações sobre o Mundo das Fábulas para o qual “trabalha”. Ela ouve, então, uma história relacionada a um menininho pobre que deseja muito ir para os Parques da Disney. Entretanto, ele não tem muito dinheiro, e Helen tem a idéia de conversar com os demais Fae Guardians e fazer com que ao menos alguns deles assumam a forma de personagens da Disney usando suas magias.

O Narrador decide que essa obviamente é uma situação que demanda um rolamento: o sucesso irá garantir que o menininho tenha seu desejo realizado, e isso fará ela digna das Fadas Madrinhas e preparada para receber novas informações. Em caso de Falha, existe todo tipo de coisas estranhas e divertidas acontecendo em Nova Iorque que o Narrador pode provocar. Portanto, essa certamente é uma situação que vai demandar um rolamento de dados.

Em seguida, o personagem a realizar a ação, o Narrador e quaisquer outros envolvidos devem, em conjunto, definir a Perícia a ser usada, o tipo de Ação e a dificuldade a ser usada. Para efeito geral, se nenhuma dificuldade for definida previamente, pode-se adotar como padrão a dificuldade Razoável (+2). Em geral, em caso de ser usado contra alvos hostis ao personagem, o teste é feito de maneira oposta, com o alvo realizando automaticamente ações de Defesa.

A Magia de Helen é baseada em sua Façanha Bibbity-Bobbity-Boo!, que permite a ela usar ações de Criar Vantagem usando Conhecimentos para aplicar em um alvo Aspectos indicando mudanças mágicas. No caso, ela negocia com os demais Fae Guardians, Pericles e Robert, quem estaria disposto a se passar por um personagem Disney por algumas horas. Pericles, não dado a tais bobagens, se recusa, mas Robert aceita, já que isso parece muito divertido, e na prática ele tenha um coração de manteiga.

Sabemos já que esse rolamento usará a perícia Conhecimentos como uma Ação de Criar Vantagens. Como ela deseja fazer Robert virar Mickey Mouse, ela precisará rolar contra uma dificuldade Razoável (+2), já que Robert é um alvo voluntário e, apesar de tudo, Mickey Mouse é um personagem razoavelmente conhecido e, portanto, sem muitos detalhes a serem manipulados em Robert. Se Helen tentasse fazer Pericles virar Minnie Mouse como companhia para Robert, ela teria que rolar contra a Vontade de Pericles, já que ele não é um alvo voluntário.

Depois, deve-se rolar quatro dados Fate (ou alguma alternativa - falaremos alternativas mais adiante) e somar-se o resultado à perícia, para obter o Esforço resultante. Para um sucesso, o Esforço tem que ser igual ou maior que a Dificuldade: caso contrário, ocorre Falha (se menor) ou Empate (se igual)

As Quatro Resoluções:

As Quatro Ações:

Os resultados exatos de cada Resolução em relação a cada Ação são descritas em maiores detalhes no Fate Básico, mas em geral é razoavelmente intuitivo perceber o que acontecerá em cada caso.

Júlia irá rolar os dados. Nesse meio tempo, o narrador Lúcio tem algumas noções do tipo de coisa que pode acontecer conforme cada resultado:

  • Falha: Helen pode simplesmente se ver incapaz de realizar a magia, ou pode ser que Forças Mágicas Espúrias tenham provocado problemas na magia, como Robert ficar muito tempo na forma de Mickey, ou ter sua personalidade afetada, ou a própria Helen se pegar transformada em Minnie Mouse. De qualquer forma, essas situações viram Aspectos cujas Invocações Gratuitas serão usadas pelo Narrador.
  • Empate: Helen consegue realizar a magia, mas pode ser necessário colocar mais situações de retorno ou imperfeições nas transformações
  • Sucesso: Helen consegue transformar Robert em Mickey Mouse, com uma Invocação Gratuita.
  • Sucesso com Estilo: Helen transforma Robert e obtêm algum tipo de vantagem, provavelmente fazendo uma magia tão boa que Robert vira a Forma Real de Mickey Mouse, com duas Invocações Gratuitas

Júlia então rola os dados, e tem uma má notícia: ela obteve + -+--, ou seja, -2. Com o Conhecimentos de Helen sendo Bom (+3), ela acaba com um esforço Regular (+1), insuficiente para superar a Dificuldade, resultando em uma Falha.

Entretanto, em Fate, a Falha não precisa ser aceita per se. Existem algumas formas de melhorar suas chances em rolamentos:

Júlia falhou no teste, e então ela pensa nas possíveis consequências de tal falha:

  • Ela não possui nenhuma Façanha que possa melhorar as chances de seu Bibbity-Bobbity-Boo
  • Ela tem alguns pontos de Destino, mas se pergunta se algum de seus Aspectos se encaixa: provavelmente sua Dificuldade Pobre Menina Rica faça com que ela se esforce mais por ser uma criança pobre e desamparada, ou o fato de ela ter o Escopo da Fada Madrinha (parte do seu Conceito) faça com que ela se esforce em realizar o desejo de tal menino;
  • Ela considera que Sucesso a Custo pode ser algo interessante: fazer com que ela se torne Minnie Mouse possa ser algo interessante… Entretanto, conhecendo Lúcio, ela sempre pode se meter em enrascada com o fato de As Fadas Madrinhas não gostarem de quem abusa de seus poderes….

Desse modo, ela decide usar 1 Ponto de Destino e diz “Como Helen é uma Pobre Menina Rica, ela está sempre solidária com alguém que está na pior e sofrendo e solitário. Com isso, ela se foca ainda mais em sua magia, fazendo com que Robert vire Mickey Mouse

Por fim, o Narrador descreve o resultado final do rolamento

O Narrador Lúcio olha a situação e diz: “Beleza: quando você termina de mover sua varinha mágica e entoa seu feitiço ‘Até uma criança alegrar, um rato de desenho serás! Bibbity-Bobbity-Boo!’, você vê que Robert vai mudando de forma, suas roupas ficando escuras até que tudo o que ele está vestindo, além da pele negra do Mickey, é o icônico calção vermelho com botões amarelos, que ele ajusta usando suas mãos enluvadas de quatro dedos, observando com os olhos grandes de sua cabeça que agora é encimada pelos dois grandes discos que são as orelhas de Mickey Mouse. Entretanto, como sempre acontece com suas magias, ela não é perfeita: os tênis Vans de Robert continuam ali, ao invés de se tornarem os sapatos grandes e amarelos que se esperam de Mickey Mouse.”

Ricardo olha para Júlia e, imitando a voz de Mickey que seu personagem Robert agora possui, fala: “Ah ha, Você precisa trabalhar melhor suas magias.”, com uma risadinha

“Meeska-Mooska-vai se lascar!” diz Júlia, interpretando a frustração de Helen com a magia imperfeita

Quando parar de narrar um rolamento?

Simples: quando passar para a ação de outro personagem.

Dito isso: até que isso ocorra, o personagem que está agindo pode recorrer a qualquer meio para melhorar seus resultados. Dependendo do caso, ele pode usar Pontos de Destino para melhorar ainda mais os resultados de um teste, se achar interessante, ou recorrer a outras Façanhas, ou pedir um Sucesso a Custo Menor se ele melhorou até chegar a um Empate.

Júlia decide que vai usar o Escopo da Fada Madrinha para adicionar +2 no rolamento, indo para um Ótimo (+5) que é melhor por 3 que a dificuldade Razoável (+2), garantindo um Sucesso com Estilo, com um Ponto de Destino. Ela descreve isso assim: “Helen está um pouco brava, mas relembra as lições que teve recentemente com Mirana e, observando os pés de Robert, ela simplesmente se foca e, agitando levemente a varinha, diz “Bibbity-Bobbity-Boo!”, fazendo com que os tênis humanos virem os sapatos amarelos esperados de Mickey Mouse.”

“Ah… Espero que isso volte ao normal, sabe?” diz Robert. “São difíceis de achar, esses Vans!”

Rolamento Oposto

Uma coisa importante: quando os rolamentos envolvem uma oposição ativa, a resolução da ação sempre envolve um rolamento do personagem ativo contra outra do personagem se defendendo, como uma ação de Defesa. O lado com melhor resultado é bem-sucedido e os resultados são definidos dessa forma.

O grupo dos personagens está perseguindo um gobelin, uma criatura malvada que veio do Mundo das Fábulas para Nova York e que está dando dor de cabeça generalizada, causando confusão, roubando coisas e provocando estragos. Eles observam ao redor do beco onde o gobelin foi encontrado pela última vez e veem apenas um gato. Helen diz: “Já que não tem ninguém com quem eu possa falar, vou conversar com o gato!” sacando sua varinha de condão de sua bolsa.

Ela aponta a varinha para o gato e diz “‘Até minhas perguntas responder, um ser humano você virá a ser! Bibbity-Bobbity-Boo!‘“. Obviamente ela está tentando utilizar sua Façanha Bibbity-Bobbity-Boo! para transformar o gato em um ser humano de modo que ela possa o questionar sobre o gobelin. Mas o gato parece perceber as intenções de Helen com a magia e não está nem um pouco à vontade para participar disso. Portanto, passa a ser um teste oposto entre Conhecimentos Bom (+3) de Helen e o Atletismo Razoável (+2) do Gato. Helen não tem muita sorte nos dados, tirando -0+0, resultando em um Esforço Razoável (+2), mas o Narrador Lúcio, rolando pelo Gato, tem um rolamento pior -0-+, com um Esforço Regular (+1).

O resultado é bom o suficiente para que Helen consiga transformar o Gato em um ser humano e fazer algumas roupas aparecer, mas como todos os usos de Bibbity-Bobbity-Boo de Helen, é imperfeito: o Gato Humano (como o Narrador descreveu) ainda tem o instinto de um gato tentando correr pelo muro para fugir dos Fae Guardians, mas agora que ele mais parece um coadjuvante de uma montagem de baixo orçamento de Cats vestido em restos de produções de Cinderela do que um gato, ele tropeça e cai no meio de um monte de lixo ao lado.

“Miau! Essa doeu! Qual é a sua, sua humana doida… Aliás, humana? Desde quando humanos usam magia?” diz o Gato Humano

“Longa história…“ diz Helen, guardando a varinha na bolsa “Mas não pretendemos atrapalhar… E você parece bonitinho e precisando de um lar. Vamos fazer o seguinte: você responde umas perguntas e te arrumo uma casa lá onde eu moro. Topa?”

Os olhos do Gato Humano brilham com interesse “O que precisa saber?”

Pericles olha para o céu e diz para Robert “Essa Fada Madrinha ainda vai matar a todos nós!”

Trabalho em Equipe

Algumas vezes, os personagens podem desejar ajudar-se uns aos outros.

Em Fate existem duas formas de se fazer isso.

A primeira pode ser chamada de Preparando Terreno, onde os personagens usam ações de Criar Vantagens para preparar situações que um deles poderá utilizar para melhorar suas chances. Essa em especial é uma forma interessante quando várias perícias forem usadas nos eventos.

Entretanto, existe uma regra interessante que é o Trabalho em Equipe:

Quando um ou mais personagens desejar ajudar um outro personagem em uma ação, eles podem sacrificar sua ação para oferecer um bônus de +1 no rolamento. Entretanto, isso só é possível se o personagem que sacrificar a ação tiver a mesma perícia que será usada no rolamento em nível Regular (+1) ou melhor e não tiver agido no turno ou recentemente. Além disso, o narrador pode estipular um limite de pessoas realizando esse trabalho em equipe: cinquenta pessoas debruçadas no mesmo livro só vão atrapalhar umas às outras!

Helen está estudando um livro de lendas urbanas para encontrar alguma informação sobre uma criatura fantástica que estão enfrentando. Mas o problema é que, mesmo ela sendo esperta, o tomo em questão está em Latim arcaico, o que torna a dificuldade muito alta para Excepcional (+5): mesmo para Helen é difícil traduzir tudo aquilo. É quando o jogador de Robert pergunta se poderia sacrificar sua ação para ajudar Helen: ele tá meio inútil no presente momento. Pericles nem cogita isso: ele não tem Conhecimentos, a perícia que Lúcio decidiu que seria usada. Mas Robert tem, ainda que em Regular (+1). O Narrador pensa e, apesar de não ser tão alto, a boa intenção de Robert pode parecer divertida. Então ele autoriza Robert a oferecer um bônus para Helen, elevando seu Conhecimentos efetivo para Ótimo (+4). Os dados são bem favoráveis a Helen, com um +-++, totalizando um Fantástico (+6), o que é um Sucesso.

Ela percebe que estão lidando com La Llorona, uma criatura do folclore mexicano muito perigosa. Helen fica surpresa com o conhecimento de Latim de Robert, que responde: “Ser coroinha em uma igreja ultramontana tem dessas vantagens, ainda que tenha sido por pouco tempo.”

Considerações finais

Aqui relembramos e detalhamos como é feito o rolamento de dados padrão em Fate, detalhando tudo que deve ser levado em consideração no rolamento, a importância de definir Perícia e Ação, e como utilizar as Resoluções para definir os resultados. Além disso, é importante dar ao jogador opções de como lidar no caso de Falhas, usando Aspectos e Sucesso a Custo como forma de impulsionar a ação e o drama adiante.

Nos próximos artigos, vamos falar um pouco mais sobre as resoluções de ação, em especial aos métodos mais complexos de resolução, como Desafios, Disputas, Conflitos, e outros mecanismos para resolver ações mais complexas.

Até lá, role +4!