Jason Raywood - Espírito das Possibilidades

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito Alguém que acredita que a vida é um jogo
Dificuldade Joga pelo livro, mesmo quando trapaceia
  Saber recuar também é uma possibilidade
  Aprende rápido qualquer jogo
  “Deixa eu fazer o meu jogo e foque-se no seu!”

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil Regular (+1)
Cuidadoso Bom (+3)
Esperto Razoável (+2)
Estiloso Medíocre (+0)
Poderoso Regular (+1)
Sorrateiro Razoável (+2)

Façanha Centuriã

  • Avaliação de Possibilidades: Jason é alguém que sabe avaliar suas chances em qualquer coisa. Sempre que ele quiser Criar Vantagens sendo Cuidadoso por meio de avaliações de suas chances em conseguir algo, ele recebe +3 nos testes.

Façanhas comuns [ Recarga: 3 ]

  • Observando a Mesa: Recebe +2 quando Atacar sendo Cuidadoso e você tiver conhecimento prévio dos hábitos e tendências do seu alvo.
  • Leitura Fria: Recebe +2 ao Criar Vantagens sendo Cuidadoso quando tentar descobrir aspectos de Outro personagem o observando.

Aparência

Jason poderia passar como um garoto comum, se não fosse o olhar meio matreiro, de alguém que já teve que entrar em mesas realmente perigosas de todos os tipos de apostas. De resto, é um garoto razoavelmente comum, de altura mediana e cabelos castanhos, vestido em roupas normais.

Comportamento

Jason é um trapaceiro honesto, ponto. Ele joga conforme o jogo e dança conforme a música, sempre analisando suas chances de sair vivo e (preferencialmente) com algum benefício de qualquer situação. Entretanto, não deve-se tomar ele como uma pessoa ruim: ele nunca pega pesado com pessoas que são realmente mais ferradas que ele e sempre está disposto a ajudar as pessoas.

História

Jason nasceu no Louisiana, região de, segundo alguns, fé e pecado. Nova Orleans sempre foi um centro de fé dos mais diversos tipos e de sedução e pecado segundo alguns. Nessa terra, Olivier e Marie Raywood eram os maiores predadores no mundo do carteado. Nenhuma pessoa os vencia nas cartas. Muitos mitos surgiram sobre os mesmos, inclusive sobre coisas como pactos com demônios, envolvimento de loas e do vodu, mas a realidade é que ambos sabiam avaliar possibilidades de ganho e perda e sabiam todos os lances.

E foi no dia 1° de Janeiro de 1901 que Marie, ainda em meio a uma mesa de poquer, sentiu as dores do parto e, em poucos segundos, deu à luz ao filho que estava esperando. Deu a ele o nome de Jason.

Com o tempo, o pequeno Jason foi demonstrando seu talento para jogos, vencendo garotos maiores e mais experientes em todo tipo de jogo: Ludo, Xadrez, Damas, etc…

Mas ele realmente impressionou um homem estranho, de descendência sino-inglesa, que desafiou seus pais em uma série de jogos: uiste, bridge, canastra, buraco e, por fim, poker. Mesmo tendo jogado todos esses jogos pela primeira vez, Jason se saiu muito bem em todos, e por fim quebrou a mesa de poker com um Royal Straight Flush.

Esse homem, Charles (Choi) Li-Ang, não se fez de rogado e colocou em prática um jogo diferente, que nem Jason, nem seus pais haviam jogado: parte dominó, parte poker, tinha uma complexidade bem alta. O objetivo era formar quatro grupos de três ou quatro pedras iguais ou em sequência, dentro dos diversos naipes de pedras, e mais um par, utilizando tantos pedras retiradas de um muro disposto ao redor da mesa, ou os descartes dos jogadores.

Charles imaginou que pegaria essa família por meio do Mahjong, um jogo complexo que com certeza eles não dominavam.

Ele não contava, entretanto, com Jason: depois de quatro rodadas de vitórias de Charles, Jason venceu com uma mão simples. Entretanto, nas duas mãos seguintes, ele conseguiu duas mãos raras (que ele tinha questionado previamente Charles): os Sete Pares, e uma rara dos Treze Órfãos.

Foi quando Charles revelou sua intenção: ele estava procurando um dos potenciais Espíritos do Século XX, pessoas com capacidades excepcionais e desejo de aventura, elementos nos quais Jason se encaixava perfeitamente. E foi com uma certa tristeza que Charles conduziu Jason para o Capítulo do Clube do Século em Nova Iorque, enquanto ensinava a ele todos os tipos de jogos, e aos quais Jason sempre aprendeu rapidamente.

Na viagem, outro fato importante foi quando, passando por Chicago, foi desafiado por uma das Triades da cidade no Mahjong. Uma aposta de risco, mas que foi sancionada tanto por Charles quanto pelo Mestre Lingyu.

Durante a partida, em pelo menos duas ocasiões, ele percebeu seus adversários trapaceando.

Obviamente ele poderia denunciar, mas decidiu que, se esse era o jogo, ele jogaria também, e venceu também usando das trapaças. Quando os homens das Tríades o acusaram, ele disse exatamente a rodada, a jogada e a trapaça que eles fizeram, e isso causou aos mesmos muita vergonha, ainda mais que o Mestre Lingyu tinha contato com o Cabeça de Dragão, o líder supremo de tal Tríade, e era respeitado pelo mesmo.

E foi assim que ele chegou ao Clube do Século, disposto a colocar sua vida em risco em apostas audaciosas em jogos valendo a vida de muitos. Afinal de contas, a Vida é um jogo.

Jason Raywood - Espírito das Possibilidades

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito Alguém que acredita que a vida é um jogo
Dificuldade Joga pelo livro, mesmo quando trapaceia
  Saber recuar também é uma possibilidade
  Aprende rápido qualquer jogo
  “Deixa eu fazer o meu jogo e foque-se no seu!”

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil Regular (+1)
Cuidadoso Bom (+3)
Esperto Razoável (+2)
Estiloso Medíocre (+0)
Poderoso Regular (+1)
Sorrateiro Razoável (+2)

Façanha Centuriã

  • Avaliação de Possibilidades: Jason é alguém que sabe avaliar suas chances em qualquer coisa. Sempre que ele quiser Criar Vantagens sendo Cuidadoso por meio de avaliações de suas chances em conseguir algo, ele recebe +3 nos testes.

Façanhas comuns [ Recarga: 3 ]

  • Observando a Mesa: Recebe +2 quando Atacar sendo Cuidadoso e você tiver conhecimento prévio dos hábitos e tendências do seu alvo.
  • Leitura Fria: Recebe +2 ao Criar Vantagens sendo Cuidadoso quando tentar descobrir aspectos de Outro personagem o observando.

Aparência

Jason poderia passar como um garoto comum, se não fosse o olhar meio matreiro, de alguém que já teve que entrar em mesas realmente perigosas de todos os tipos de apostas. De resto, é um garoto razoavelmente comum, de altura mediana e cabelos castanhos, vestido em roupas normais.

Comportamento

Jason é um trapaceiro honesto, ponto. Ele joga conforme o jogo e dança conforme a música, sempre analisando suas chances de sair vivo e (preferencialmente) com algum benefício de qualquer situação. Entretanto, não deve-se tomar ele como uma pessoa ruim: ele nunca pega pesado com pessoas que são realmente mais ferradas que ele e sempre está disposto a ajudar as pessoas.

História

Jason nasceu no Louisiana, região de, segundo alguns, fé e pecado. Nova Orleans sempre foi um centro de fé dos mais diversos tipos e de sedução e pecado segundo alguns. Nessa terra, Olivier e Marie Raywood eram os maiores predadores no mundo do carteado. Nenhuma pessoa os vencia nas cartas. Muitos mitos surgiram sobre os mesmos, inclusive sobre coisas como pactos com demônios, envolvimento de loas e do vodu, mas a realidade é que ambos sabiam avaliar possibilidades de ganho e perda e sabiam todos os lances.

E foi no dia 1° de Janeiro de 1901 que Marie, ainda em meio a uma mesa de poquer, sentiu as dores do parto e, em poucos segundos, deu à luz ao filho que estava esperando. Deu a ele o nome de Jason.

Com o tempo, o pequeno Jason foi demonstrando seu talento para jogos, vencendo garotos maiores e mais experientes em todo tipo de jogo: Ludo, Xadrez, Damas, etc…

Mas ele realmente impressionou um homem estranho, de descendência sino-inglesa, que desafiou seus pais em uma série de jogos: uiste, bridge, canastra, buraco e, por fim, poker. Mesmo tendo jogado todos esses jogos pela primeira vez, Jason se saiu muito bem em todos, e por fim quebrou a mesa de poker com um Royal Straight Flush.

Esse homem, Charles (Choi) Li-Ang, não se fez de rogado e colocou em prática um jogo diferente, que nem Jason, nem seus pais haviam jogado: parte dominó, parte poker, tinha uma complexidade bem alta. O objetivo era formar quatro grupos de três ou quatro pedras iguais ou em sequência, dentro dos diversos naipes de pedras, e mais um par, utilizando tantos pedras retiradas de um muro disposto ao redor da mesa, ou os descartes dos jogadores.

Charles imaginou que pegaria essa família por meio do Mahjong, um jogo complexo que com certeza eles não dominavam.

Ele não contava, entretanto, com Jason: depois de quatro rodadas de vitórias de Charles, Jason venceu com uma mão simples. Entretanto, nas duas mãos seguintes, ele conseguiu duas mãos raras (que ele tinha questionado previamente Charles): os Sete Pares, e uma rara dos Treze Órfãos.

Foi quando Charles revelou sua intenção: ele estava procurando um dos potenciais Espíritos do Século XX, pessoas com capacidades excepcionais e desejo de aventura, elementos nos quais Jason se encaixava perfeitamente. E foi com uma certa tristeza que Charles conduziu Jason para o Capítulo do Clube do Século em Nova Iorque, enquanto ensinava a ele todos os tipos de jogos, e aos quais Jason sempre aprendeu rapidamente.

Na viagem, outro fato importante foi quando, passando por Chicago, foi desafiado por uma das Triades da cidade no Mahjong. Uma aposta de risco, mas que foi sancionada tanto por Charles quanto pelo Mestre Lingyu.

Durante a partida, em pelo menos duas ocasiões, ele percebeu seus adversários trapaceando.

Obviamente ele poderia denunciar, mas decidiu que, se esse era o jogo, ele jogaria também, e venceu também usando das trapaças. Quando os homens das Tríades o acusaram, ele disse exatamente a rodada, a jogada e a trapaça que eles fizeram, e isso causou aos mesmos muita vergonha, ainda mais que o Mestre Lingyu tinha contato com o Cabeça de Dragão, o líder supremo de tal Tríade, e era respeitado pelo mesmo.

E foi assim que ele chegou ao Clube do Século, disposto a colocar sua vida em risco em apostas audaciosas em jogos valendo a vida de muitos. Afinal de contas, a Vida é um jogo.

Mairead Mag Raith (McRae), Espírito da Comunidade

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito Descendente de Irlandeses que vive pela sua comunidade
Dificuldade “Ter pouco não é motivo para não dividir” - Samaritana incorrigível
  Cabelos e Olhos “brilhantes” - Tocada pelas Fadas
  Lady Danaan sabe o que penso
  Contos e Histórias

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil Regular (+1)
Cuidadoso Bom (+3)
Esperto Razoável (+2)
Estiloso Razoável (+2)
Poderoso Regular (+1)
Sorrateiro Medíocre (+0)

Façanha Centuriã

  • Caldeirão de Dagda: Mairead é iluminada com uma capacidade quase sobrenatural de encontrar e aproveitar as coisas ao seu redor para alimentar ou prover outros (e a sí própria) com o que precisa. Duas Vezes por sessão, Mairead pode declarar que ela consegue aproveitar o que está a seu redor para prover todos de alimentos e necessidades básicas. Isso aparece em jogo como Aspectos com uma Invocação Gratuíta por vez, como “Um grude realmente saboroso!” ou “Roupas boas tiradas do lixo”.

Façanhas comuns [ Recarga: 3 ]

  • Como demonstrado: Recebe +2 em tentativas de Criar Vantagem ou Superar Obstáculos sendo Estiloso quando ele puder publicamente explicar porque sua ideia, teoria ou plano é correto.
  • Exatamente o que preciso: Uma Vez Por Sessão, como uma Ação Livre, pode declarar que possui algo que possa eliminar completamente um Aspecto de Situação.

Aparência

Mairead é considerada uma pessoa tocada pelas fadas e sua aparência é bastante incomum, refletindo essa característica: seu cabelo ruivo é quase metálico de tão brilhante, assim como os olhos verdes que parecem quase duas grandes esmeraldas. Impressionantemente, não importa o fato de seu vestido ser roto e rasgado, com pedaços de tecido costurados pela própria Mairead, ela sempre parece um anjo, ou uma fada.

Comportamento

Mairead vive pelas comunidades: em qualquer grupo onde está, ela sempre se imagina como uma espécie de suporte, uma “cola” que visa manter todas as pessoas juntas. Ela tem algum problema para ficar sozinha, mas nenhum para ficar em grandes grupos. Além disso, ela sabe como lidar com muitas pessoas: sua criação típica irlandesa proveu a ela o que precisa para esses casos.

História

A Grande Fome da Irlanda, entre 1810 e 1879, provocou a fuga de muitos irlandeses, muitos indo para os Estados Unidos. E de famílias que fugiram nos últimos anos da fome na Irlanda nasceu o casal Connor e Eileen Mag Raith, que em 1890 se casaram. Por 10 anos batalhando duro conseguiram juntar o suficiente para uma pequena casinha em Nova Iorque, onde ele trabalhava como estivador e ela como professora primária. A vida não era fácil, e o dinheiro era curto, mas sempre foram muito preocupados com a comunidade, não poucas vezes recebendo pessoas em pior situação em sua casa.

A gravidez de Eileen foi comemorada por todos, e o nascimento nas primeiras badaladas do novo século foi considerado auspicioso, ainda mais quando todos viram os olhos verdes quase esmeraldinos e alguns pelos bem vermelhos, quase como uma mistura de cobre e sangue, nas sombrancelhas.

E com o tempo, isso ficou ainda mais patente, quando a pequena Mairead começou a ajudar os pais na organização da casa, e a comunidade em várias coisas: desde procurar comprar um pouco de verduras e batatas, fazer pão, tocar violino nas festas comunitárias, até mesmo alguns pequenos truques para alegrar os menores que ela na Páscoa. Esses talentos todos, surgindo com o tempo, fizeram com que todos acreditassem que ela era “tocada pelas fadas”: em especial, a mulher conhecida como Lady Danaan recomendou que ela fosse tutelada por algumas pessoas que ela conhecida do grupo filantrópico conhecido como Clube do Século

E foi assim que Mairead descobriu sobre ser um dos Espíritos do Século XX, destinada a preservar e reforçar nesse século valores importantes. Ela logo entendeu seu papel de reforçar a sua comunidade, desde o pequeno grupo do bairro de Clinton, em Manhattan, até o mundo. Pois ela sabe que uma família (e a humanidade é uma família) sempre se parte por dentro, nunca por fora.