Amadeu Monteiro, expatriado português e tutor de Mayfield

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito Empolado e talentoso tutor expatriado português e Bibliotecário do Clube do Século
Dificuldade “Hei de voltar a minha querida terra, nem que seja no túmulo!”
  “Perigo Vermelho? Desde quando o mensageiro é o perigo?”
  Os senhores Wright precisam entender o mal que podem fazer a Mayfield
  As provas empíricas são tão importantes quanto a comprovação científica

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil Razoável (+2)
Cuidadoso Bom (+3)
Esperto Bom (+3)
Estiloso Regular (+1)
Poderoso Regular (+1)
Sorrateiro Razoável (+2)

Façanhas comuns

  • Faro da Verdade: Recebe +2 ao Defender-se sendo Esperto de ações quando os outros tentarem lhe passar a perna.
  • Divinação: Recebe +2 ao tentar Criar Vantagens sendo Cuidadoso ao ler sinais e portentos nas estrelas, por cartas de tarô, ou usando algum outro tipo de prática divinatória.
  • Jogos Mentais: Recebe +2 ao Superar de Maneira Sorrateira obstáculos para fazer alguém acreditar em algo que não é uma verdade
  • Faça as contas: Recebe +2 ao Defender-se quando você puder descrever como ser Ágil e realizar cálculos mentais rápidos puder ajudar a determinar o momento certo de evitar o golpe.
  • Já li sobre isso: _Uma vez por sessão__, você pode declarar como um fato conveniente pode lhe ajudar em qualquer situação em que você estiver envolvido. Discuta com o Narrador qual fato é esse.

Aparência

Amadeu tem uma aparência esnobe: veste-se impecavelmente, nunca é visto sem sua cartola e muito raramente é visto em qualquer situação em que suas roupas estejam sujas, amarrotadas, ou de qualquer outra forma sua aparência esteja fora dos padrões sociais adequados. Ele é alto, magro e com cabelo e olhos castanhos, além de usar óculos.

Comportamento

Apesar da aparência empolada e do comportamento social adequado, Amadeu é uma pessoa bastante simples no fundo: ele aceita as pessoas como são e procura ser educado com todos, ao menos tanto quanto são com ele. Gosta muito de Mayfield e fará de tudo por ela.

História

O senhor e a senhora Wright são pais bastante amorosos à sua maneira, mas os compromissos sociais e com os negócios fizeram com que eles tivessem que colocar sua pequena Mayfield em mãos confiáveis. Foi quando um jovem chegou em Nova Iorque, vindo de Lisboa.

O jovem Amadeu Monteiro nasceu no dia 1° de Janeiro de 1890, portanto tornou-se um jovem, mas apto, patrocinador do Clube do Século. Sua capacidade mental acima da média, suas habilidades de comunicação e estudo, seu conhecimento geral, entre outras coisas, chamaram à atenção da Sede de Lisboa, que precisava de um bibliotecário. O jovem, formado em Coimbra com meros 10 anos, foi uma opção viável.

Entretanto, com a sucessiva instabilidade econômica e de governo, e suas idéias consideradas excessivamente progressistas e até mesmo representantes do Perigo Vermelho, fez com que ele decidisse por deixar para trás Lisboa (pela qual sente saudade até hoje) e ir para Nova Iorque trabalhar junto ao Clube do Século como bibliotecário.

Como patrocinadores importantes, o senhor e a senhora Wright decidiram contratar Amadeu para que ele fosse tutor de sua filha Mayfield. Foi Amadeu quem confirmou que Mayfield seria um Espírito do Século XX, por meio de uma série de leituras divinatórias que ele próprio realizou, apesar de ser um homem de ciência.

Desde então, ele tem dividido suas atividades no Clube do Século de Nova Iorque, no Educandário da Madame Sheridan, onde ensina Latim, e no Wright Estate, a mansão dos Wright. E em todos esses lugares ele gasta uma parte do seu tempo tutelando a pequena Mayfield, além de ocasionalmente impedir a mesma de se meter em apuros, como da vez que ele teve que procurar ela entre os newsies e para isso fez-se de parte do populacho do East River.

Mas Amadeu está satisfeito por agora com tudo. Entretanto, ele ainda sonha com o dia que poderá voltar a Lisboa, e quem sabe levar Mayfield para conhecer a Torre do Marquês de Pombal, o Alentejo e outros belos locais das terras lusitanas.

Matheus Ortiz

Olá!

Esse post recupera um antigo diário de um Dramatis Persona (PC) meu de Castelo Falkenstein. Pode servir de inspiração para quem quiser saber como escreve-se um diário em Castelo Falkenstein. Postado originalmente na comunidade de Castelo Falkenstein do Orkut.

Meu Diário – Matheus Ortiz

“São Paulo, Ano de Nosso Senhor de 1870:

Aos 17 dias do mês de Maio, eu, Matheus Cláudio Ortiz, resolvo tomar do papel e da pena para escrever os resultados de minhas andanças por esse belo país que é o Império do Brasil.

Ser alguém como eu, mulato, filho de uma bela mas sofrida mulher e de um pai que, mesmo alforriado enfrentou muitos reconceitos por parte dos ditos “civilizados” é uma coisa que me marca demais, ainda mais quando vejo a casa pequena, mas confortável, que consegui adquirir aqui nessa grande cidade com anos de suor e labuta…

Meu físico é de certa forma mais pendendo ao físico dos europeus, embora em minhas veias corram, com muito orgulho, o sangue africano de meu pai, conhecedor das Ervas e dos místérios das lendas. Meus olhos são escuros, com duas pedras de opala, e meu cabelo, crespo e curto, não nega minhas raízes do povo Nagô.

Meu pai, Tobias Ortiz, ao sair da fazenda aonde foi escravo, encontrou minha mãe, Graça Matias, em uma parada de boiadeiros próxima a Campinas, ponto de parada das tropas que subiam e desciam o Brasil, levando o charque e as preciosas boiadas do Sul para o Norte e vice-versa. Após isso ele, anteriormente boiadeiro, aproximou-se de minha mãe e eles se casaram, tendo dois filhos: eu e a jovem Marta.

Minha mãe morreu pouco depois que eu nasci, vítima da tuberculose, e aos quinze anos, foi a vez de meu pai perecer, ao contrair a terrível Febre do Sertão. Fomos então recebidos pelo antigo dono de meu pai, um homem mui consciente e cristão de nome Amadeu Ortiz. Marta foi para o Rio de Janeiro estudar com outras jovens (diferentemente de mim, que tenho uma pele cor do jambo, ela é alva como o leite), enquanto eu fui enviado para estudar em São Paulo.

Minhas excelente notas (Educação [EXC]), aliadas ao meu bom comportamento social (Trato Social [OTI]), garantiram-me uma vaga em uma Faculdade em Lisboa, financiada por um rico fazendeiro com interesses em montar indústrias no Brasil. Lá, fui sempre muito querido pelos meus colegas de classe, fossem pessoas menos favorecidas como eu, ou mais favorecidas, como vários de meus rivais (Carisma [BOM]). Aos poucos, fui entrando em contato com a Engenharia de Cálculo, que muito me interessou pelas possibilidades que oferece no caso de bom uso da mesma (Mecânica [BOM]). Além disso, tinha uma certa popularidade nas peças teatrais e saraus realizados em Lisboa. (Atuação [BOM]). Por outro lado, nunca fui um adepto da violência como forma de resolver os problemas e, embora tenha empunhado a espada uma vez ou outra, nunca desenvolvi o menor talento para duelos (Briga [FRA], Esgrima [FRA], Tiro [FRA]) o que, em Lisboa, me colocou em desvantagem contra meus rivais, mais tendentes a resolverem suas desavenças através das armas.

Em Lisboa tive meus primeiros contatos com o que viria a ser conhecido como o Segundo Compacto, através de uma palestra de Lord Kelvin, conhecido físico e matemático que muito me fez pensar. De imediato, pesquisei muito sobre várias informações que o mesmo deixou escapar nas entrelinhas, e acabei compreendendo a gravidade da situação. Um de meus rivais, deveras, de nome Alexander Von Dachau, passou a me provocar com mais intensidade, o que me mostrou os perigos de uma sociedade dominada por homens como Von Dachau. De fato, acabei me tornando parte do Compacto, tendo alguns contatos aqui e ali com quem passo a saber mais sobre essa tão importante sociedade (Contatos [BOM]).

Depois de formado em Lisboa, e já de certa forma iniciado na Engenharia de Cálculo e no Segundo Compacto, resolvi que seria deveras mais útil voltar para o Brasil, aonde meu tutor e o industrial que me apoiaram, e ainda me apóiam (ambos muito conscientes e cristãos, donos de espíritos esclarecidos) poderiam me ajudar a fomentar contatos mais amplos, de forma a levar adiante a mensagem do Compacto até o mui esclarecido Imperador Dom Pedro II. Porém, alas, algo aconteceu durante o processo, em que meu tutor perdeu tudo o que tinha: infelizmente, embora muito trabalhador e esclarecido, detinha um vício no jogo que era perigoso. Com dificuldade ele conseguiu reaver o que tinha, mas não sem antes dar sua própria filha, a bela Maria Antonietta, como esposa a um crápula de nome Klaus Von Tandelheim, que acredito ter “interesses escusos” no Brasil. Acredito que ele é que esteja barrando meus recentes esforços de levar as palavras do Compacto ao Imperador: não menos de uma vez ele me declarou indigno de confiança diante de toda a sociedade, tanto paulista quando carioca, pela minha cor. Creio que Tandelheim é um agente prussiano, mas não posso provar.

Se posso me descrever em palavras, creio que minhas principais qualidades e defeitos são exatamente os mesmos: franqueza, caráter e determinação. Não consigo me pensar agindo de outra forma, mesmo levando-me à ruína através dessas ações.

Não sou adepto de roupas caras e de futilidades semelhantes. Quando em serviço (e trabalho bastante, já que são pouquíssimos os Engenheiros de Cálculo do Império, e o Imperador vem usando nossos serviços deveras) visto-me com as roupas mais simples que puder vestir e uso boinas semelhantes às dos recém-chegados italianos, desse modo poupando custos na manutenção das mesmas: ao optar por roupas mais simples que são mais fáceis de lavar e engomar, posso me manter aprumado e ainda assim não gastar muito. Minhas roupas, mesmo fora de serviço, são espaçosas e com muitos bolsos. Porém, mesmo mexendo com todo tipo de óleos e graxas no meu serviço, procuro deveras estar sempre o mais limpo e bem-aprumado que puder. Sou uma pessoa franca e direta: talvez tenha herdado isso das minhas discussões de Marx e Engels. Tenho certa atração por suas filosofias e ideais, mas seus métodos rudes me afastam de outros com tal pensamento.

Gosto muito de ler sobre filosofia – as idéias de Marx, mesmo com sua posição radical, me atraem, devo confessar – e sou uma pessoa que não dispenso uma boa comida caseira – se posso dizer que herdei algo de minha mãe, foi a boa mão na cozinha. Respeito a honra e a franqueza, mesmo em meus inimigos. Abomino, com todas as forças, a dissimulação e o preconceito, essas coisas torpes e vis que tanto prejudicam a humanidade. Outra qualidade e defeito meu é que sou deveras prolixo, ou, no popular, sou um tagarela. Deveras, mesmo na minha infância meu pai falava que eu era igual a uma “matraca de Dia de São João”.

Meu maior bem são meus amigos: sou capaz de me sacrificar por aqueles a quem devoto minha amizade já que são poucos. Meus maiores inimigos são Klaus Von Tandelheim, que várias vezes tentou me tirar do meu trabalho autônomo, procurando me barrar de todas as maneiras, seja com seus contatos – tolhendo-me dos materiais que necessitava para os meus reparos – seja através de rufiões bem pagos para manterem o bico calado – e MUITO bem armados de armamentos estranhos, de uma tecnologia totalmente alienígena para mim -, e Alexander Von Dachau, que creio estar agindo em conjunto ou ser o “patrono misterioso” de Von Tandelheim.

Meus aliados, porém, sempre me ajudaram: conto com a ajuda da divina Chiquinha Gonzaga – mui linda, que balançou já vária vezes o coração desse que escreve e que já teve a honra de muitas vezes lhe fazer a corte – e do sábio Rui Barbosa – de quem, embora discorde em muitos pontos, tenho nutrido grande camaradagem. Além disso, possuo os vários contatos do Segundo Compacto e alguns amigos entre os Anarquistas – gente que não adota a metodologia mais radical dos mais jovens – e principalmente entre os recém-chegados Anarquico-Sindicalistas italianos.

Apesar do que pode parecer, o industrial que tanto me ajuda, Rodolfo Fernando Guimarães, é mui esclarecido e sabe que os Anarquistas apenas querem boas condições e emprego e salário, o que, ele sendo esclarecido, não tem dificuldades de suprir. Talvez meu mais forte amigo e aliado atual, ele é um visionário, um homem à frente de seu tempo, que a nada deve a homens como Proudhon e Owen. Sinto-me honrado em trabalhar ocasionalmente para um homem como ele, de caráter e íntegro…

Infelizmente, embora seja um homem bem cotado na corte, graças à minha cor e à minha dedicação no trabalho, não tenho me envolvido com ninguém amorosamente. Ocasionalmente faço a corte a uma ou outra mulher, mas nada permanente. Tenho uma certa atração por Chiquinha, mas creio que o coração dela pertence a outrém. Desse modo, por mais doloroso que seja, creio que é sábio eu me afastar dela, permanecendo apenas um bom amigo, e não pressionando. Acredito, e a minha vida provou isso, que tudo é uma questão de dar tempo ao tempo.

Minhas metas na vida são (Profissional) ser o melhor Engenheiro de Cálculo do Império do Brasil, (Social) dar a pessoas de semelhante origem que a minha oportunidades de crescerem na vida e (Romântica) ter uma família boa e feliz, sendo um esposo adorável, justo e digno do respeito de minha esposa, como meu pai sempre foi com minha mãe.

Se posso dizer que me arrependo de algo, foi de não ter estado ao lado de meu pai no seu leito de morte: de fato, me culpo até hoje desse fato e ocasionalmente pego-me acordando de madrugada após ver o meu pai, em rigor mortis, me questionando “Porque me abandonou, filho?”.

Mas graças a meu pai ganhei o espírito de luta que fomentou meus estudos e fomenta meu trabalho, e creio que ele, na Casa do Senhor, deve estar orgulhoso de que seu filho, mulato como era, brasileiro, pobre, estudante bolsista, conseguiu notas altas ao ponto de ser escolhido, entre os de sua turma, para ser Orador de sua formatura como Engenheiro Mecânico em Lisboa. Claro que esse espírito de luta é uma das coisas das quais mais me orgulho, e tal evento serviu apenas para que eu tivesse mais orgulho de ser o que sou.

Depois de uma temporada de serviços bem sucedidos em vários locais do Brasil, acabei fixando-me em São Paulo por algum tempo, comprando uma pequena casa próximo à Avenida principal (conhecida como Paulista). Recentemente, porém, recebi uma carta de Rui Barbosa, que demonstrava-se deveras preocuupado com um grupo de Escravocratas de Minas que procura derrubar as leis que protegem pessoas como eu de serem novamente escravizadas. Na mesma missiva ele pedia minha ajuda, pois ele tem visto movimentos estranhos de Von Dachau e Von Terlenheim que, segundo eles, vêm adquirido equipamentos estranhos por meios escusos… Ele acredita ser algum tipo de Dispositivo Infernal semelhante a uma Máquina de Cálculo, mas deveras mais poderosa… E perigosa, em mãos erradas.

E claro, se isso for verdade, não vou deixar pulhas como esses dois utilizar a maravilhosa descoberta de Babbage e Lady Lovelace para provocar o mal e tirar das pessoas a liberdade! Por isso mesmo, já estou empacotando meus pertences para me mudar para o Rio. Minha irmã, agora casada com um comerciante bom de vida, já providenciou uma casa aonde poderei morar e manter meus estudos. Além disso, terei meu próprio telégrafo particular, o que será útil, ainda mais agora que Von Dachau e Von Terlenheim decidiram mexer seus pauzinhos.

E que Deus me ajude nas minhas empreitadas que virão, pois creio que elas serão deveras tortuosas..

ATENÇÃO: O sobrenome desse personagem vitoriano (Matheus Ortiz) deve-se ao fato do pai ter recebido o sobrenome de seu antigo dono.

Inimigos

Alexander Von Dachau

Engenheiro de Cálculo e Agente Prussiano

Carismático, mas frio como o gelo, não permite que nada e nem ninguém interfira em seus objetivos.

Situação Financeira [EXC], Mecânica [BOM], Coragem [OTI], Esgrima [OTI], Educação [OTI], Tiro [BOM], Briga [BOM], Atuação [BOM], Contatos [BOM], Carisma [BOM], Trato Social [FRA], Feitiçaria [FRA], Furtividade [FRA], Percepção [FRA]

Klaus von Tendelheim

Nobre Prussiano, Magista do Templo de Rá

Por fora, um nobre e galante cavalheiro… Por dentro, um homem sem escrúpulos, embora não consiga agir quando a situação aparenta ser ruim para ele.

Aparência [OTI], Coragem [OTI], Trato Social [OTI], Feitiçaria [OTI], Esgrima [BOM], Tiro [BOM], Compleição Física [BOM], Educação [BOM], Situação Financeira [BOM], Coragem [FRA], Mecânica [FRA], Briga [FRA]

Aliados

Rodolfo Fernando Guimarães

Industrial, Embaixador

Um articulador de forças, um dos poucos homens capazes de unir “os homens de boa vontade” em um momento difícil como esse. Realista e dedicado à sua causa de paz, jamais empunhou uma arma.

Contatos [EXT], Educação [EXT], Trato Social [OTI], Aparência [EXC], Situação Financeira [EXC], Percepção [BOM], Feitiçaria [FRA], Esgrima [FRA], Tiro [FRA], Mecânica [FRA], Medicina [FRA]

Amadeu Ortiz

Fazendeiro Falido, Comerciante, Nobre

Apenas uma sombra do que já foi, mas ainda contando com alguns bons amigos que o ajudam não importa o que aconteça, é um homem vivido, sábio e esclarecido. Sua perdição: o jogo.

Contatos [OTI], Educação [OTI], Trato Social [OTI], Aparência [BOM], Situação Financeira [BOM], Compleição Física [FRA], Coragem [FRA]

Marta Ortiz

Irmã de Matheus, Nobre

Uma das aias da Rainha, Marta é também um dos mais fortes contatos de seu irmão na corte. Delicada e requintada, porém capaz de lançar bravatas tão venenosas quanto as presas de uma cascavel.

Trato Social[EXT], Contatos [EXC], Aparência [EXC], Atuação [OTI], Carisma [EXC], Educação [BOM], Coragem [FRA], Briga [FRA], Compleição Física [FRA], Esgrima [FRA], Tiro [FRA]

Matheus Ortiz

Olá!

Esse post recupera um antigo diário de um Dramatis Persona (PC) meu de Castelo Falkenstein. Pode servir de inspiração para quem quiser saber como escreve-se um diário em Castelo Falkenstein. Postado originalmente na comunidade de Castelo Falkenstein do Orkut.

Meu Diário – Matheus Ortiz

“São Paulo, Ano de Nosso Senhor de 1870:

Aos 17 dias do mês de Maio, eu, Matheus Cláudio Ortiz, resolvo tomar do papel e da pena para escrever os resultados de minhas andanças por esse belo país que é o Império do Brasil.

Ser alguém como eu, mulato, filho de uma bela mas sofrida mulher e de um pai que, mesmo alforriado enfrentou muitos reconceitos por parte dos ditos “civilizados” é uma coisa que me marca demais, ainda mais quando vejo a casa pequena, mas confortável, que consegui adquirir aqui nessa grande cidade com anos de suor e labuta…

Meu físico é de certa forma mais pendendo ao físico dos europeus, embora em minhas veias corram, com muito orgulho, o sangue africano de meu pai, conhecedor das Ervas e dos místérios das lendas. Meus olhos são escuros, com duas pedras de opala, e meu cabelo, crespo e curto, não nega minhas raízes do povo Nagô.

Meu pai, Tobias Ortiz, ao sair da fazenda aonde foi escravo, encontrou minha mãe, Graça Matias, em uma parada de boiadeiros próxima a Campinas, ponto de parada das tropas que subiam e desciam o Brasil, levando o charque e as preciosas boiadas do Sul para o Norte e vice-versa. Após isso ele, anteriormente boiadeiro, aproximou-se de minha mãe e eles se casaram, tendo dois filhos: eu e a jovem Marta.

Minha mãe morreu pouco depois que eu nasci, vítima da tuberculose, e aos quinze anos, foi a vez de meu pai perecer, ao contrair a terrível Febre do Sertão. Fomos então recebidos pelo antigo dono de meu pai, um homem mui consciente e cristão de nome Amadeu Ortiz. Marta foi para o Rio de Janeiro estudar com outras jovens (diferentemente de mim, que tenho uma pele cor do jambo, ela é alva como o leite), enquanto eu fui enviado para estudar em São Paulo.

Minhas excelente notas (Educação [EXC]), aliadas ao meu bom comportamento social (Trato Social [OTI]), garantiram-me uma vaga em uma Faculdade em Lisboa, financiada por um rico fazendeiro com interesses em montar indústrias no Brasil. Lá, fui sempre muito querido pelos meus colegas de classe, fossem pessoas menos favorecidas como eu, ou mais favorecidas, como vários de meus rivais (Carisma [BOM]). Aos poucos, fui entrando em contato com a Engenharia de Cálculo, que muito me interessou pelas possibilidades que oferece no caso de bom uso da mesma (Mecânica [BOM]). Além disso, tinha uma certa popularidade nas peças teatrais e saraus realizados em Lisboa. (Atuação [BOM]). Por outro lado, nunca fui um adepto da violência como forma de resolver os problemas e, embora tenha empunhado a espada uma vez ou outra, nunca desenvolvi o menor talento para duelos (Briga [FRA], Esgrima [FRA], Tiro [FRA]) o que, em Lisboa, me colocou em desvantagem contra meus rivais, mais tendentes a resolverem suas desavenças através das armas.

Em Lisboa tive meus primeiros contatos com o que viria a ser conhecido como o Segundo Compacto, através de uma palestra de Lord Kelvin, conhecido físico e matemático que muito me fez pensar. De imediato, pesquisei muito sobre várias informações que o mesmo deixou escapar nas entrelinhas, e acabei compreendendo a gravidade da situação. Um de meus rivais, deveras, de nome Alexander Von Dachau, passou a me provocar com mais intensidade, o que me mostrou os perigos de uma sociedade dominada por homens como Von Dachau. De fato, acabei me tornando parte do Compacto, tendo alguns contatos aqui e ali com quem passo a saber mais sobre essa tão importante sociedade (Contatos [BOM]).

Depois de formado em Lisboa, e já de certa forma iniciado na Engenharia de Cálculo e no Segundo Compacto, resolvi que seria deveras mais útil voltar para o Brasil, aonde meu tutor e o industrial que me apoiaram, e ainda me apóiam (ambos muito conscientes e cristãos, donos de espíritos esclarecidos) poderiam me ajudar a fomentar contatos mais amplos, de forma a levar adiante a mensagem do Compacto até o mui esclarecido Imperador Dom Pedro II. Porém, alas, algo aconteceu durante o processo, em que meu tutor perdeu tudo o que tinha: infelizmente, embora muito trabalhador e esclarecido, detinha um vício no jogo que era perigoso. Com dificuldade ele conseguiu reaver o que tinha, mas não sem antes dar sua própria filha, a bela Maria Antonietta, como esposa a um crápula de nome Klaus Von Tandelheim, que acredito ter “interesses escusos” no Brasil. Acredito que ele é que esteja barrando meus recentes esforços de levar as palavras do Compacto ao Imperador: não menos de uma vez ele me declarou indigno de confiança diante de toda a sociedade, tanto paulista quando carioca, pela minha cor. Creio que Tandelheim é um agente prussiano, mas não posso provar.

Se posso me descrever em palavras, creio que minhas principais qualidades e defeitos são exatamente os mesmos: franqueza, caráter e determinação. Não consigo me pensar agindo de outra forma, mesmo levando-me à ruína através dessas ações.

Não sou adepto de roupas caras e de futilidades semelhantes. Quando em serviço (e trabalho bastante, já que são pouquíssimos os Engenheiros de Cálculo do Império, e o Imperador vem usando nossos serviços deveras) visto-me com as roupas mais simples que puder vestir e uso boinas semelhantes às dos recém-chegados italianos, desse modo poupando custos na manutenção das mesmas: ao optar por roupas mais simples que são mais fáceis de lavar e engomar, posso me manter aprumado e ainda assim não gastar muito. Minhas roupas, mesmo fora de serviço, são espaçosas e com muitos bolsos. Porém, mesmo mexendo com todo tipo de óleos e graxas no meu serviço, procuro deveras estar sempre o mais limpo e bem-aprumado que puder. Sou uma pessoa franca e direta: talvez tenha herdado isso das minhas discussões de Marx e Engels. Tenho certa atração por suas filosofias e ideais, mas seus métodos rudes me afastam de outros com tal pensamento.

Gosto muito de ler sobre filosofia – as idéias de Marx, mesmo com sua posição radical, me atraem, devo confessar – e sou uma pessoa que não dispenso uma boa comida caseira – se posso dizer que herdei algo de minha mãe, foi a boa mão na cozinha. Respeito a honra e a franqueza, mesmo em meus inimigos. Abomino, com todas as forças, a dissimulação e o preconceito, essas coisas torpes e vis que tanto prejudicam a humanidade. Outra qualidade e defeito meu é que sou deveras prolixo, ou, no popular, sou um tagarela. Deveras, mesmo na minha infância meu pai falava que eu era igual a uma “matraca de Dia de São João”.

Meu maior bem são meus amigos: sou capaz de me sacrificar por aqueles a quem devoto minha amizade já que são poucos. Meus maiores inimigos são Klaus Von Tandelheim, que várias vezes tentou me tirar do meu trabalho autônomo, procurando me barrar de todas as maneiras, seja com seus contatos – tolhendo-me dos materiais que necessitava para os meus reparos – seja através de rufiões bem pagos para manterem o bico calado – e MUITO bem armados de armamentos estranhos, de uma tecnologia totalmente alienígena para mim -, e Alexander Von Dachau, que creio estar agindo em conjunto ou ser o “patrono misterioso” de Von Tandelheim.

Meus aliados, porém, sempre me ajudaram: conto com a ajuda da divina Chiquinha Gonzaga – mui linda, que balançou já vária vezes o coração desse que escreve e que já teve a honra de muitas vezes lhe fazer a corte – e do sábio Rui Barbosa – de quem, embora discorde em muitos pontos, tenho nutrido grande camaradagem. Além disso, possuo os vários contatos do Segundo Compacto e alguns amigos entre os Anarquistas – gente que não adota a metodologia mais radical dos mais jovens – e principalmente entre os recém-chegados Anarquico-Sindicalistas italianos.

Apesar do que pode parecer, o industrial que tanto me ajuda, Rodolfo Fernando Guimarães, é mui esclarecido e sabe que os Anarquistas apenas querem boas condições e emprego e salário, o que, ele sendo esclarecido, não tem dificuldades de suprir. Talvez meu mais forte amigo e aliado atual, ele é um visionário, um homem à frente de seu tempo, que a nada deve a homens como Proudhon e Owen. Sinto-me honrado em trabalhar ocasionalmente para um homem como ele, de caráter e íntegro…

Infelizmente, embora seja um homem bem cotado na corte, graças à minha cor e à minha dedicação no trabalho, não tenho me envolvido com ninguém amorosamente. Ocasionalmente faço a corte a uma ou outra mulher, mas nada permanente. Tenho uma certa atração por Chiquinha, mas creio que o coração dela pertence a outrém. Desse modo, por mais doloroso que seja, creio que é sábio eu me afastar dela, permanecendo apenas um bom amigo, e não pressionando. Acredito, e a minha vida provou isso, que tudo é uma questão de dar tempo ao tempo.

Minhas metas na vida são (Profissional) ser o melhor Engenheiro de Cálculo do Império do Brasil, (Social) dar a pessoas de semelhante origem que a minha oportunidades de crescerem na vida e (Romântica) ter uma família boa e feliz, sendo um esposo adorável, justo e digno do respeito de minha esposa, como meu pai sempre foi com minha mãe.

Se posso dizer que me arrependo de algo, foi de não ter estado ao lado de meu pai no seu leito de morte: de fato, me culpo até hoje desse fato e ocasionalmente pego-me acordando de madrugada após ver o meu pai, em rigor mortis, me questionando “Porque me abandonou, filho?”.

Mas graças a meu pai ganhei o espírito de luta que fomentou meus estudos e fomenta meu trabalho, e creio que ele, na Casa do Senhor, deve estar orgulhoso de que seu filho, mulato como era, brasileiro, pobre, estudante bolsista, conseguiu notas altas ao ponto de ser escolhido, entre os de sua turma, para ser Orador de sua formatura como Engenheiro Mecânico em Lisboa. Claro que esse espírito de luta é uma das coisas das quais mais me orgulho, e tal evento serviu apenas para que eu tivesse mais orgulho de ser o que sou.

Depois de uma temporada de serviços bem sucedidos em vários locais do Brasil, acabei fixando-me em São Paulo por algum tempo, comprando uma pequena casa próximo à Avenida principal (conhecida como Paulista). Recentemente, porém, recebi uma carta de Rui Barbosa, que demonstrava-se deveras preocuupado com um grupo de Escravocratas de Minas que procura derrubar as leis que protegem pessoas como eu de serem novamente escravizadas. Na mesma missiva ele pedia minha ajuda, pois ele tem visto movimentos estranhos de Von Dachau e Von Terlenheim que, segundo eles, vêm adquirido equipamentos estranhos por meios escusos… Ele acredita ser algum tipo de Dispositivo Infernal semelhante a uma Máquina de Cálculo, mas deveras mais poderosa… E perigosa, em mãos erradas.

E claro, se isso for verdade, não vou deixar pulhas como esses dois utilizar a maravilhosa descoberta de Babbage e Lady Lovelace para provocar o mal e tirar das pessoas a liberdade! Por isso mesmo, já estou empacotando meus pertences para me mudar para o Rio. Minha irmã, agora casada com um comerciante bom de vida, já providenciou uma casa aonde poderei morar e manter meus estudos. Além disso, terei meu próprio telégrafo particular, o que será útil, ainda mais agora que Von Dachau e Von Terlenheim decidiram mexer seus pauzinhos.

E que Deus me ajude nas minhas empreitadas que virão, pois creio que elas serão deveras tortuosas..

ATENÇÃO: O sobrenome desse personagem vitoriano (Matheus Ortiz) deve-se ao fato do pai ter recebido o sobrenome de seu antigo dono.

Inimigos

Alexander Von Dachau

Engenheiro de Cálculo e Agente Prussiano

Carismático, mas frio como o gelo, não permite que nada e nem ninguém interfira em seus objetivos.

Situação Financeira [EXC], Mecânica [BOM], Coragem [OTI], Esgrima [OTI], Educação [OTI], Tiro [BOM], Briga [BOM], Atuação [BOM], Contatos [BOM], Carisma [BOM], Trato Social [FRA], Feitiçaria [FRA], Furtividade [FRA], Percepção [FRA]

Klaus von Tendelheim

Nobre Prussiano, Magista do Templo de Rá

Por fora, um nobre e galante cavalheiro… Por dentro, um homem sem escrúpulos, embora não consiga agir quando a situação aparenta ser ruim para ele.

Aparência [OTI], Coragem [OTI], Trato Social [OTI], Feitiçaria [OTI], Esgrima [BOM], Tiro [BOM], Compleição Física [BOM], Educação [BOM], Situação Financeira [BOM], Coragem [FRA], Mecânica [FRA], Briga [FRA]

Aliados

Rodolfo Fernando Guimarães

Industrial, Embaixador

Um articulador de forças, um dos poucos homens capazes de unir “os homens de boa vontade” em um momento difícil como esse. Realista e dedicado à sua causa de paz, jamais empunhou uma arma.

Contatos [EXT], Educação [EXT], Trato Social [OTI], Aparência [EXC], Situação Financeira [EXC], Percepção [BOM], Feitiçaria [FRA], Esgrima [FRA], Tiro [FRA], Mecânica [FRA], Medicina [FRA]

Amadeu Ortiz

Fazendeiro Falido, Comerciante, Nobre

Apenas uma sombra do que já foi, mas ainda contando com alguns bons amigos que o ajudam não importa o que aconteça, é um homem vivido, sábio e esclarecido. Sua perdição: o jogo.

Contatos [OTI], Educação [OTI], Trato Social [OTI], Aparência [BOM], Situação Financeira [BOM], Compleição Física [FRA], Coragem [FRA]

Marta Ortiz

Irmã de Matheus, Nobre

Uma das aias da Rainha, Marta é também um dos mais fortes contatos de seu irmão na corte. Delicada e requintada, porém capaz de lançar bravatas tão venenosas quanto as presas de uma cascavel.

Trato Social[EXT], Contatos [EXC], Aparência [EXC], Atuação [OTI], Carisma [EXC], Educação [BOM], Coragem [FRA], Briga [FRA], Compleição Física [FRA], Esgrima [FRA], Tiro [FRA]