A Vila do Queijo - uma Aventura dos Camundongos Aventureiros

Cena 1: A chegada dos primos de longe

  • Aspectos:
    • A alegria de ver primos de lugares estranhos
    • A beleza da vida humilde

Os personagens irão recepcionar os seus primos vindos dos Estados Unidos, Emily e Alexander. Não se preocupe se os personagens perguntarem como todos se entendem: todos os camundongos do mundo falam o mesmo idioma, além dos idiomas de outros animais (no que Emily é especialmente versada). Faça com que os personagens apresentem o Rio de Janeiro para os camundongos aventureiros, apresentando locais como a Igreja da Lapa e o Cristo Redentor, ainda que à distância. Caso queira, deixe que eles vejam o Cristo Redentor e os Arcos da Lapa, onde ainda muitas comunidades, tanto humanas quanto roedoras vão buscar água para beber.

Depois de algum tempo, faça com que os personagens sigam para a Vila do Queijo, uma pequena vila de pescadores e outros camundongos pobres que fica a uma certa distância do centro do Rio de Janeiro. Junto à Vila do Queijo existe uma pequena comunidade de humanos que vivem de maneira similar, caiçaras que tiram do mar e de algumas pequenas roças seu sustento.

Claro que existe queijo: queijo de sabor forte e marcante, feito normalmente de leite de cabra, que os próprios moradores, humanos e camundongos, fabricam. No caso dos humanos, ainda existe também o queijo ao estilo mineiro, branco e feito do leite de vaca, mais suave. Alguns camundongos (principalmente aqueles com amigos humanos) costumam conseguir algumas porções do mesmo, que é visto como uma iguaria. Claro que Emily e Alexander serão recebidos com tal queijo, além de frutas, doces e compotas e a tapioca, um alimento típico feito a base de mandioca

Nesse momento, eles encontrarão o Dono da Vila…

Saiba Mais (4787 palavras...)

Taranis - O Guardião das Runas

Os povos conhecidos como táuricos são diversos em Umdaar, como Centauros, Minotauros e outros tipos de criatura metade-humana, metade animal. Entre elas, as mais conhecidas são os Centauros (cuja a parte superior é de homem e a inferior normalmente de cavalo) e os Minotauros (parte superior de besta, parte inferior de homem).

A rivalidade eterna entre esses dois povos táuricos tornou-se guerra quando os Mestres ascenderam e os Minotauros, violentos por natureza, aliaram-se aos Mestres, pois sua sede de sangue seria satisfeita pelos Mestres em matanças e batalhas em Arenas de Gladiadores. Por sua vez, os Centauros, mais sábios que os os Minotauros, logo ficaram com um pé atrás, e logo se tornaram vítimas das cruéis caçadas dos Mestres por mais escravos e força de trabalho. Desse modo, muitas comunidades de Centauros foram aprisionadas pelos Mestres e logo eles se refugiaram em locais isolados e passaram a trabalhar em conjunto com os demais Povos Livres de Umdaar. Como mestres de sabedoria, os Centauros passaram a ter conhecimento enorme na arte tecnomística do uso das Runas.

E Taranis é um dos melhores.

Nascido muito fraco, muitos achavam que ele não duraria muito tempo, pois ele era um potro mirrado e com pernas fracas, o que fez com que todos achassem que ele logo morreria. Mas não obstante ele vingou, e embora ainda fosse um Centauro mirrado, tornou-se poderoso na parte do conhecimento. E logo descobriu como manipular as Runas antigas, da Era dos Demiurgos e de antes das mesma, e com isso obter poder para ajudar sua comunidade e seus aliados.

Com o tempo, tornou-se poderoso na manipulação das Runas e tornou-se um sábio poderoso entre os Centauros. Entretanto, lhe foi vaticinado no nascimento que “O Mais Fraco, ao vingar, venceria o mais forte”, e muitos em sua comunidade e nas regiões próximas entenderam isso como um sinal de que Taranis se tornaria alguém capaz de enfrentar e até mesmo ter a chance de vencer os terríveis Mestres de Umdaar.

E foi nesse momento que ele abandonou sua tribo e passou a trabalhar com outros Arqueonautas, conhecendo muitos mas não ficando muito tempo em um mesmo grupo, servindo também de sábio e conciliador, além de mensageiro quando necessário. Seu corpo baio de pelos vermelhos sempre possui uma sela para quando existe a necessidade (normalmente extrema, já que Centauros normalmente não permitem que outros montem-os) de resgate de alguém. Além disso, ele sempre carrega consigo uma série de tomos e equipamentos importantes como Guardião de Runas e coisas úteis em geral.

Informações Iniciais

  • Bioforma: Centauro - Centaur
  • Classe: Guardião de Runas - Runekeeper

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito: Um Centauro Guardião de Runas mais fraco de que outros Centauros
Motivação: Devo obter conhecimento e realizar meu destino de vencer os Mestres
Pessoal: Conhecido por muitos, amigo de poucos
  A Sabedoria supera a força
  Qualquer um contra os Mestres tem meu respeito

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil: Regular (+1)
Cuidadoso: Bom (+3)
Esperto: Razoável (+2)
Estiloso: Razoável (+2)
Poderoso: Medíocre (+0)
Sorrateiro: Regular (+1)

Façanhas: [Recarga: 3]

  • Manipulação de Elementos: Sempre que estiver presente em um local onde os Elementos que ela souber manipular for abundante, recebe +2 ao Criar Vantagens sendo Esperta usando esse elemento.
    • Elementos: Ar, Luz, Fogo

Saiko – O Bardo Faeryn

Um dos povos mais antigos de Umdaar, e um dos que mais sofre na mão dos Mestres de Umdaar, os Faeryn são seres ligados à natureza, de corpos esguios e poderosa magia. São combatentes terríveis e grandes mestres da magia perdida de Umdaar, além de conhecerem segredos sobre as terras de Umdaar de antes da era dos Demiurgos. Não à toa são caçados pelos Mestres de Umdaar: qualquer tipo de conhecimento que eles possam usar para dominar o mundo deve ser deles. E isso só poderia resultar em ser um dos povos mais próximos da extinção de Umdaar.

Mas isso não impede alguns deles de se aventurar. Um deles é Saiko nehim Shantar, Saiko filho de Shantar, segundo ele próprio um pesquisador, arquivista, estudioso, cronista, musicista e contador de histórias, passou a procurar contar e catalogar a história de Umdaar.

Uma das histórias que ele quer registrar é a trágica história do guerreiro caído Nakai, um escravo e gladiador que inflou seu povo contra um dos Mestres de Umdaar, apenas para ser humilhado e transformado em um Mephitum, um Homem-Gambá, humilhado por todos os que procurou ajudar.

Galante e fanfarrão, Saiko procura estar sempre bem-vestido, nunca dispensando a capa e o chapéu emplumado, sua rapieira à cintura e as botas verdes. Mas sua melhor função é descobrindo coisas e estimulando os demais, entoando as canções lembrando de feitos e históras do passado.

Informações Iniciais

  • Bioforma: Faeryn - Energy Men
  • Classe: Bardo - Cortier

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito: Um Galante Bardo Faeryn a procura de Histórias e de Glória
Motivação: Devo descobrir todas as histórias que existem em Umdaar
Pessoal: Fanfarrão e Sorridente, mesmo no pior da pressão
  Um dos últimos do povo Faeryn
  A história trágica de Nakai merece e deve ser contada

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil: Regular (+1)
Cuidadoso: Medíocre (+0)
Esperto: Razoável (+2)
Estiloso: Bom (+3)
Poderoso: Regular (+1)
Sorrateiro: Razoável (+2)

Façanhas: [Recarga: 3]

  • Canções Inspiradoras: desde que possa ser ouvido e sacrifique suas Ações, inclusive Defesas, pode oferecer +2 como bônus a todos os aliados visíveis em qualquer ação. Considerado uma ação de Trabalho Em Equipe;
  • Canções de Amor e de Guerra: recebe +2 ao Criar Vantagens de Maneira Estilosa usando suas canções para lembrar de coisas do passado ou inspirar;
  • Rapieira: No início de um Conflito, como Ação Livre, pode tentar Criar uma Vantagem de Maneira Estilosa demonstrando o quão impressionante é em combate.