Talon - O Homem-Rapina

Os homem-pássaros são poderosos no combate no ar. descendentes de povos antigos e poderosos, alguns acreditam que já construíam suas fortalezas (que eles chamam de Ninhos) no alto das mais altas montanhas e nas fendas mais escarpadas mesmo antes da Era dos Demiurgos. Os Demiurgos nunca viram necessidade em se envolver com os homens-pássaro, já que seus conhecimentos permitiam a eles moldar a terra conforme a necessidade e as escarpas onde os mesmos vivem, e os picos e montanhas, não lhe proporcionavam nenhuma vantagem ao tentar dominar. Era preferível negociar e obter o que precisavam pelas trocas com itens, alimentos e tecnologia.

Entretanto, com o fim da Era dos Demiurgos e o surgimento dos Mestres de Umdaar, os homem-pássaros passaram a ser atacados: os montes e escarpas serviam como pontos de fronteira onde os Mestres podiam manter tropas para controlar o acesso e manter rebeldes fora e impedir a fuga de escravos. Não a toa, muitos povos dos homens-pássaros passaram a sofrer com os ataques contantes dos Mestres. E não à toa, junto com os Humanos, os Usato, os Monges de Alemtempo e os Faeryn, eles se tornaram aliados de primeira ordem junto às Vilas da Luz.

Todo homem-pássaro aprende a voar tão logo possível, e mesmo os mais jovens deles são capazes de voar facilmente. Na adolescência eles podem se tornar grandes batedores e mensageiros, usando sua experiência de vôo para deslocar-se tão rápido que os Mestres não podem os atingir, mesmo aqueles que tenham obtidos os antigos Canhões de Energia Demiurgos. Entretanto, uma queda do ar é fatal para eles tanto quanto o é para um ser humano.

Além de sua habilidade natural com asas, muitos são experientes na construção de máquinas voadoras dos mais diversos tipos, desde asa-deltas rudimentares até sofisticados planadores que utilizam uma reciclagem da energia eólica para voar mesmo sem vento, desde que estejam corretamente montados.

Talon é de uma das principais tribos de homens-pássaro. Nascido e criado como um combatente, ainda assim é alguém que aprendeu uma série de truqeues, sendo um batedor eficiente e alguém muito apurado em várias coisas. Entretanto, ele é um homem rústico, forjado nos ventos gélidos e traiçoeiros dos Picos de Handa’har, o Nefasto, e portanto pouco afeito a salamaleques, ainda que saiba o suficiente para não colocar seu pescoço em risco.

Talon trabalha para as Vilas da Luz como um batedor, e sua família e tribo são orgulhosos disso. E ele nunca irá fazer eles passarem vergonha, se depender exclusivamente dele.

Informações Iniciais

  • Bioforma: Homem-Pássaro - Beastmen - Bird
  • Classe: Batedor - Bounty Hunter

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito: Um Homem Pássaro Batedor que vive por sua honra e de sua tribo
Motivação: Devo ser sempre o batedor que esperam de mim
Pessoal: Um guerreiro rústico e ocasionalmente antiquado
  Correr, voar, nadar, lutar, escalar, pescar, caçar e pensar
  Verei o dia em que as escarpas ficarão limpas do fedor dos Mestres

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil: Razoável (+2)
Cuidadoso: Razoável (+2)
Esperto: Bom (+3)
Estiloso: Medíocre (+0)
Poderoso: Regular (+1)
Sorrateiro: Regular (+1)

Façanhas: [Recarga: 3]

  • Ataque de Carga: se tiver espaço o bastante para manobrar, recebe +2 ao Atacar sendo Ágil caindo sobre seus alvos em carga;
  • Visão de Águia: recebe +2 ao Superar sendo Esperto testes que envolvam o discernimento de coisas à distância
  • Arpéu: em caso de um Sucesso com Estilo ao Atacar sendo Esperto, pode sacrificar o impulso para Enredar o alvo. Esse Aspecto entra com uma Invocação Gratuíta.

Talon - O Homem-Rapina

Os homem-pássaros são poderosos no combate no ar. descendentes de povos antigos e poderosos, alguns acreditam que já construíam suas fortalezas (que eles chamam de Ninhos) no alto das mais altas montanhas e nas fendas mais escarpadas mesmo antes da Era dos Demiurgos. Os Demiurgos nunca viram necessidade em se envolver com os homens-pássaro, já que seus conhecimentos permitiam a eles moldar a terra conforme a necessidade e as escarpas onde os mesmos vivem, e os picos e montanhas, não lhe proporcionavam nenhuma vantagem ao tentar dominar. Era preferível negociar e obter o que precisavam pelas trocas com itens, alimentos e tecnologia.

Entretanto, com o fim da Era dos Demiurgos e o surgimento dos Mestres de Umdaar, os homem-pássaros passaram a ser atacados: os montes e escarpas serviam como pontos de fronteira onde os Mestres podiam manter tropas para controlar o acesso e manter rebeldes fora e impedir a fuga de escravos. Não a toa, muitos povos dos homens-pássaros passaram a sofrer com os ataques contantes dos Mestres. E não à toa, junto com os Humanos, os Usato, os Monges de Alemtempo e os Faeryn, eles se tornaram aliados de primeira ordem junto às Vilas da Luz.

Todo homem-pássaro aprende a voar tão logo possível, e mesmo os mais jovens deles são capazes de voar facilmente. Na adolescência eles podem se tornar grandes batedores e mensageiros, usando sua experiência de vôo para deslocar-se tão rápido que os Mestres não podem os atingir, mesmo aqueles que tenham obtidos os antigos Canhões de Energia Demiurgos. Entretanto, uma queda do ar é fatal para eles tanto quanto o é para um ser humano.

Além de sua habilidade natural com asas, muitos são experientes na construção de máquinas voadoras dos mais diversos tipos, desde asa-deltas rudimentares até sofisticados planadores que utilizam uma reciclagem da energia eólica para voar mesmo sem vento, desde que estejam corretamente montados.

Talon é de uma das principais tribos de homens-pássaro. Nascido e criado como um combatente, ainda assim é alguém que aprendeu uma série de truqeues, sendo um batedor eficiente e alguém muito apurado em várias coisas. Entretanto, ele é um homem rústico, forjado nos ventos gélidos e traiçoeiros dos Picos de Handa’har, o Nefasto, e portanto pouco afeito a salamaleques, ainda que saiba o suficiente para não colocar seu pescoço em risco.

Talon trabalha para as Vilas da Luz como um batedor, e sua família e tribo são orgulhosos disso. E ele nunca irá fazer eles passarem vergonha, se depender exclusivamente dele.

Informações Iniciais

  • Bioforma: Homem-Pássaro - Beastmen - Bird
  • Classe: Batedor - Bounty Hunter

Aspectos

Tipo Aspecto
Conceito: Um Homem Pássaro Batedor que vive por sua honra e de sua tribo
Motivação: Devo ser sempre o batedor que esperam de mim
Pessoal: Um guerreiro rústico e ocasionalmente antiquado
  Correr, voar, nadar, lutar, escalar, pescar, caçar e pensar
  Verei o dia em que as escarpas ficarão limpas do fedor dos Mestres

Abordagens

Abordagem Nível
Ágil: Razoável (+2)
Cuidadoso: Razoável (+2)
Esperto: Bom (+3)
Estiloso: Medíocre (+0)
Poderoso: Regular (+1)
Sorrateiro: Regular (+1)

Façanhas: [Recarga: 3]

  • Ataque de Carga: se tiver espaço o bastante para manobrar, recebe +2 ao Atacar sendo Ágil caindo sobre seus alvos em carga;
  • Visão de Águia: recebe +2 ao Superar sendo Esperto testes que envolvam o discernimento de coisas à distância
  • Arpéu: em caso de um Sucesso com Estilo ao Atacar sendo Esperto, pode sacrificar o impulso para Enredar o alvo. Esse Aspecto entra com uma Invocação Gratuíta.

A Vila do Queijo - uma Aventura dos Camundongos Aventureiros

Cena 1: A chegada dos primos de longe

  • Aspectos:
    • A alegria de ver primos de lugares estranhos
    • A beleza da vida humilde

Os personagens irão recepcionar os seus primos vindos dos Estados Unidos, Emily e Alexander. Não se preocupe se os personagens perguntarem como todos se entendem: todos os camundongos do mundo falam o mesmo idioma, além dos idiomas de outros animais (no que Emily é especialmente versada). Faça com que os personagens apresentem o Rio de Janeiro para os camundongos aventureiros, apresentando locais como a Igreja da Lapa e o Cristo Redentor, ainda que à distância. Caso queira, deixe que eles vejam o Cristo Redentor e os Arcos da Lapa, onde ainda muitas comunidades, tanto humanas quanto roedoras vão buscar água para beber.

Depois de algum tempo, faça com que os personagens sigam para a Vila do Queijo, uma pequena vila de pescadores e outros camundongos pobres que fica a uma certa distância do centro do Rio de Janeiro. Junto à Vila do Queijo existe uma pequena comunidade de humanos que vivem de maneira similar, caiçaras que tiram do mar e de algumas pequenas roças seu sustento.

Claro que existe queijo: queijo de sabor forte e marcante, feito normalmente de leite de cabra, que os próprios moradores, humanos e camundongos, fabricam. No caso dos humanos, ainda existe também o queijo ao estilo mineiro, branco e feito do leite de vaca, mais suave. Alguns camundongos (principalmente aqueles com amigos humanos) costumam conseguir algumas porções do mesmo, que é visto como uma iguaria. Claro que Emily e Alexander serão recebidos com tal queijo, além de frutas, doces e compotas e a tapioca, um alimento típico feito a base de mandioca

Nesse momento, eles encontrarão o Dono da Vila…

Saiba Mais (4790 palavras...)