Aventura Pronta - As Quatro Folhas de Fair Leaves

Introdução

Um fato que nunca foi registrado foi a importância da magia em Fair Leaves.

O Novo Continente tinha suas próprias tradições mágicas, e muitos dos estrangeiros de uma forma ou de outra tentaram suprimir ou negar essas tradições mágicas. Seus seguidores e as criaturas da mesma ocasionalmente entravam em conflito com os mesmos, e isso prejudicava inclusive aqueles que para cá vieram sem se importar nada com isso.

Quando Fair Leaves foi fundada, haviam muitos habitantes mágicos locais. Os Bieberaus tiveram importância ao negociar com esses povos um Pacto de Convivência, envolvendo todas as partes, mágicas e mundanas, locais e estrangeiras, para que todos vivessem em Fair Leaves de maneira igualitária e harmoniosa. Graças a isso, Fair Leaves nunca teve grandes problemas, pois em sua Pedra Fundadora, que ainda existe na Praça da Cidade, foi colocado um amuleto na forma de um Trevo de Quatro Folhas, e o mesmo não à toa tem uma malaquita encrustada nele: a malaquita para os povos nativos era um símbolo de sorte, ainda mais em formato de cobra, em algo similar ao símbolo de Ourobouros (a cobra tentando comer a própria cauda), um símbolo de renascimento.

Entretanto, com o tempo, as demais famílias fundadoras tentavam de tudo para explorar os recursos naturais da região, inclusive indo contra as ações dos Bieberaus, em especial os McHog e McBaalian. Isso fez com que as quatro famílias entrassem em conflito. A doença do último Bieberaus a nascer em Fair Leaves, Kaspar, foi o estopim para o conflito que rompeu o equilíbrio entre as Quatro Famílias Fundadoras. O emparedamento dos últimos Bieberaus, que resultou na morte do Patriarca Lars e em Kaspar tornando-se um Fantasma que até hoje assombra a casa onde ele vivia, foi onde esse equilíbrio começou a se romper.

Isso começou a degenerar a prosperidade de Fair Leaves, como era no passado, ainda que essa queda não seja tão perceptível.

Os O’Wool se mudaram quando seu Patriarca Connacht viu Kaspar em sua forma espectral e enlouqueceu, tomado por um pânico indescritível. Os McBaalian foram seduzidos pelo dinheiro, abandonando a tradição de serem caridosos e tornando-se os sovinas que o mito que corre à boca pequena entre os habitantes de Fair Leaves. E os McHog ficaram gananciosos, sendo agora donos de metade de Fair Leaves (e dando um jeito de conseguir a outra metade).

Quanto à magia, as criaturas mágicas que existiam na cidade, como os Leprechaun McLucky, os McEaster Coelhos da Páscoa e os Vampiros da linhagem von Squeak se viram em uma situação de precisarem se manter isolados e secretos, até que encontrassem um ocasional descendente dos Bieberaus com poder o bastante para os ver e tentar os ajudar. Recentemente isso acontece com Sylvester Sälvalner, cujo pai, Niels, era para assumir essa missão, mas abandonou tudo para fugir com o Circo. E Sylvester veio para a cidade muito velho, e isso coloca todos com medo de mais um tempo de isolamento e medo. Além dele, outras pessoas se estabeleceram em segredo em Fair Leaves procurando manter esse segredo sobre o místico.

Recentemente, a família Baalycairn veio de Sligo, na Irlanda, para Fair Leaves. Eles vieram (oficialmente) porque o Sr. Baalycairn trabalha em uma empresa que tem um escritório em Great Willows. Como ele pode trabalhar remotamente por computador, ele preferiu buscar um local melhor, menor e mais tranquilo, e Fair Leaves foi a escolha adequada, ainda mais que é apenas uma hora de trem para ir e voltar para Great Willows.

Na realidade, os Baalycairn são descendentes indiretos dos Bieberaus e, portanto, dotados de habilidades mágicas.

Além deles, existe pelo menos mais dois usuários de magia em Fair Leaves:

  • Sylvester “Silly Silver” Sälvalner, um antigo palhaço do antigo Donahue Circus & Shows. Quando ficou velho o bastante e circo veio à falência e foi comprado por um circo maior cuja base de inverno fica em Katchalow, ele conseguiu adquirir algumas coisas, como velhos baus, panfletos, cartazes, figurinos e tudo o mais, e com isso ajudou a formar o Circo Comunitário e Brigada de Palhaços dos Cavaleiros da Diversão, junto com algumas pessoas da Associação Cultural de Fair Leaves e do Grupo Escoteiro de Fair Leaves. E passou, por ser o mais experiente, a ensinar coisas sobre circo aos interessando, o que para infelicidade dele são tão poucos que a Associação Cultural está ameaçando o despejar! Assim como seu pai, seu avô e seus familiares antes dele, ele desenvolveu uma série de artes mágicas. Porém, dado à sua inocência e característico bom humor, ele nunca fez magias poderosas: na realidade, tudo o que ele fazia eram jogos de cores, luzes e pequenos truques de magia que facilmente seriam confundidos com truques de cena circense. Mas ainda assim é muito querido junto aos moradores de Fair Leaves, tantos os mágicos quanto os Mundanos.
  • Wyatt Woolmeister, que quando jovem foi parte de uma das turmas mais pestinhas de Fair Leaves, até que descobriu os segredos da antiga mansão Bieberaus, ao invadir junto com sua Turma o antigo lar dos Bieberaus. Sem que a maioria soubesse (mesmo sua Turma) descobriu segredos antigos de magia perdidos desde que os Bieberaus desapareceram. Como todo bom Curioso, ele começou a estudar o que via nos livros e com isso tornou-se um mago de grande reputação entre os que conhecem sobre a magia, e começou a se aventurar pelo mundo, coletando livros e artefatos, tanto mundanos quanto mágicos. Tornou-se um antiquário famoso em todo o país, o que faz com que Fair Leaves fique famosa. Tem mantido, secretamente, uma série de acordos com as criaturas mágicas da região para que elas não interfiram nos eventos da cidade e vice-versa.

Os Baalycairn vieram na realidade por um motivo estranho, que nem mesmo sua filha, Danaan Baalycairn entende.

E quando ela começa a sofrer acidentes estranhos, a Turma se verá envolvida nisso tudo.

Saiba Mais (11007 palavras...)

As Estranhas Fantasias de Mardi-Gras

Essa aventura utiliza as regras do 1ª Delegacia de Polícia da Desenholândia para Fate Acelerado.

Introdução

1952. 26 de Fevereiro.

O Mardi-Gras está acontecendo em Los Angeles.

Embora pouco famoso quando confrontado com seu irmão mais famoso de Nova Orleans, com seus Jazzistas creole e seu charme Cajun, o Mardi-Gras em Los Angeles tem uma grande vantagem em relação à famosa festa da Terça Gorda (o dia que antecede o início da Quaresma).

Os Desenhos.

Desde a recente abertura da Desenholândia, o município de Los Angeles tem visto os gastos com infraestrutura explodir (junto com o tanto de bigornas que aparecem nas filmagens de desenhos). Entretanto, o turismo tem se beneficiado muito, os tours para a Desenholândia sendo algo muito rentável. De fato, algumas empresas tem se popularizado em fazer esses tours, inclusive com entrada e visitação de sets de Desenhos nas empresas cinematográficas. Meet and Greets têm se tornado tão populares envolvendo desenhos como Mickey Mouse, Patolino e Roger Rabbit tem gerado boas receitas aos envolvidos.

E durante o Mardi-Gras, a Desenholândia é o point do momento.

A postura extremamente (ou aparentemente) anárquica dos Desenho serve bem para o Mardi-Gras, que muitos consideram e aceitam como o último dia de excessos antes dos 40 dias da Quaresma. E a Desenholândia tem todo o tipo de banda e diversão, além de aceitar aquilo que é fora do convencional. Se existe uma máxima entre desenhos no Mardi-Gras, ela foi definida por Roger Rabbit: “Se você não puder ser engraçado, é melhor estar morto!”

Entretanto, essa é uma era também de perseguições e embates políticos: os movimentos sociais e a resposta conservadora se fazem sentir no mundo dos Desenhos também. A Canção do Sul, uma recente e ambiciosa proposta de misturar atores reais com Desenhos feita por Walt Disney acabou chamando muita atenção negativa por seu conteúdo, declarado como racista por movimentos a favor da igualdade e integração racial. Por outro lado, o Comitê de Atividades Anti-Americanas do Congresso está ficando cada vez mais intenso, e provendo também uma política de boicotes e ostracismos. Charles Chaplin, antes aclamado, se viu vítima desse boicote, com as vendas e críticas a seu filme Luzes da Ribalta sendo muito baixas.

Aparentemente, isso não vem ao caso, já que é Mardi-Gras e os festejos são intensos: a diversão e anarquia imperam como nunca nessa data, em especial da Desenholândia. Mesmo o 1° Distrito de Polícia sabe que não tem muito o que fazer: é uma festa cívica e, como é o Mardi-Gras, é esperado um certo grau de libertinagem e anarquia. Apenas os casos mais obviamente flagrantes de crime estão sendo investigados e tendo ações tomadas contra.

Recentemente, uma companhia da cidade chamada Leisure Costumes conseguiu convencer o cientista maluco de Desenho Doktor Helmut Von Latzen a trabalhar com eles em uma espécie de Fantasia de Desenho. As pesquisas de desenhificação e da interação da Tinta (com T maiúsculo, a essência do corpo de um Desenho) com a Carne e Sangue humanos/biológicos proveram informações muito úteis sobre isso. Já tinham sido desenvolvido roupas e outros métodos para “transformar-se” um ser humano em desenho, mas o processo ou era inviavelmente caro ou acabava em desastre, como o Desastre de Fort Lauderdale e o recente evento envolvendo o cientista renegado de Desenho Viktor Lasiek e o antigo e insano cineastra de Desenhos Connor McGraff.

Mas aparentemente, a Leisure Costumes alcançou um grande sucesso tanto em termos científicos quanto em termos comerciais e econômicos ao conseguir, junto com Helmut Von Latzen, criar um processo para criar-se tal Utópica “Fantasia de Desenho” de uma maneira viável economicamente e em um processo que mantenha a pessoa sã.

Várias pessoas se propuseram para serem as “cobaias” da Leisure Costumes, ao mesmo tempo que outros tantos vêm tais Fantasias como “mais um passo para a Sedição dos Inocentes”.

Em meio a essa loucura toda, o Mardi-Gras começa…

E será muito louco

Saiba Mais (8490 palavras...)

Os Defensores de Pelúcia - Uma Ideia de Cenário

Uma imagem recentemente publicada em um servidor do Discord sobre Fate no qual eu participo me deu uma ideia bem interessante de cenário, que gostaria de compartilhar com outros interessados no mesmo.

A imagem em questão está acima, e ela instanteamente me fez pensar em jogar como um bicho de pelúcia defendendo seu dono dos horrores em seus sonhos. Eu comecei imediatamente a fazer um brainstorm das ideias e cheguei a algo que imagino que seja uma boa premissa. Então, sem mais delongas, apresento os Defensores de Pelúica.


O Mundo

No mundo dos Defensores de Pelúcia, os sonhos são bem reais, assim como os monstros. A imaginação das crianças é algo tão poderoso que seus sonhos se tornam realidade, mas apenas enquanto elas estão dormindo. Toda noite, portais para o Reino dos Sonhos se abrem embaixo da cama de todas as crianças entre 3 e 8 anos de idade aproximadamente. Todos os portais chegam ao mesmo Reino dos Sonhos, enquanto os portais partindo do Reino dos Sonhos são mais esparsos e ligam-se sempre a portais na mesma região do mundo real. Quando as crianças começam a despertar, o Sol começa a se por no Reino dos Sonhos, e qualquer coisa que esteja dentro do mesmo quando o Sol se por ficará preso lá até que a criança volte a dormir.

O Reino é povoado por criaturas originárias da imaginação. Muitas delas são boas, mas para cada criança dormente, existe um monstro, criado a partir de seus próprios medos, que procura devorar suas mentes. Entenda, monstros apenas existem enquanto as crianças que as criaram estão dorments. O Reino dos Sonhos portanto passa a ser como uma prisão, de onde eles querem escapar. E a chave para abrir a prixão é a mente dos seus criadores. Devorar a mente dos mesmos os libertaria dessa ŕisão e permitira aos mesmos existirem também quando a criança está acordada. De fato, isso costumava acontecer com maior frequência, o que deu origem a toda uma série de mitos sobre criaturas estranhas no mundo real.

Mas, vejam só, a esperança surgiu no uso disseminado de Ursos de Pelúcia e outros animais similares para acalentar crianças em seu sono. O mesmo poder do amor que gera os sonhos nas crianças também imbui vida aos seus animais de pelúcia preferidos. Quandos as crianças dormem com um bicho de pelúcia, ele acorda e procura defender seu dono.

No passado, esses companheiros enfrentavam os monstros individualmente, e conseguiam ser bem sucedidos ocasionalmente. Até que chegou o momento em que eles começaram a se unir e aventurar-se no Reino dos Sonhos para defender os portais da região onde habitam. Eles construiram fortalezas próximas aos portais e as fortificaram. Atualmente, é extremamente raro que um monstro sequer se aproxime de um portal, quanto mais alcançar seu criador. Mas sua malícia cresce nas regiões mais obscuras do Reino dos Sonhos, e sem sombras de dúvida eles planejam como derrubar o reino dos ursos.

Você será capaz de unir-se aos demais bichos de pelúcia de sua região para enfrentar o mal? Quais horrores criados pela mente do seu dono você terá que encarar? Descubra em Defensores de Pelúcia.

Personagens

Os personagens serão um bando de bichos de estimação que estão ligados entre si pelo mesmo portal regional no Reino dos Sonhos. Alguns pode estar conectados entre si pelas mesmas crianças ou por crianças da mesma casa, mas todos irão tentar manter o portal livre dos monstros do Reino.

Aspectos

Conceito

Pense em que tipo de animal fofo de pelúcia você deseja ser e baseie seu Conceito nisso. Nem todo bicho de pelúcia é igual. Alguns são carinhosamente cuidados e amados, enquanto outros são normalmente deixado às traças. Você pode ser um coelho de pelúcia habilidoso com construção, ou um sapo esguio e confuso. Dê ao seu personagem uma personalidade que se ajuste ao tipo de bicho de pelúcia que ele é.

Dificuldade

Como sugerido no Fate Básico ou no Fate Acelerado.

Propósito

Esse Aspecto representa duas coisas: como o seu dono é e por que você deseja o proteger. Pense em como seu dono é. Qual é o tipo de família onde ele vive? Ele cuida bem de seus brinquedos? Do que ele tem medo? Essas questões devem lhe ajudar a trazer seu dono a baila e a mostrar por que ele precisa de você. Narrador, esse aspecto também lhe será útil para construir os monstros a partir dos donos dos personagens.

Outros Aspectos

Você pode adicionar outros aspectos conforme descrito no Fate Básico. Seria interessante que um deles fosse um aspecto de relacionamento o conectado a outro personagem. Defensores de Pelúcia podem também usar outros brinquedos não tão apreciados como ferramentas ou armas. Coisas como um carrinho de controle remoto ou um bumerangue podem ser Aspectos interessantes.

Abordagens

Sugiro usar Fate Acelerado nesse cenário em especial. A flexibilidade do mesmo deve realmente brilhar com a grande gama de conceitos que podem estar envolvidos.

Façanhas

Façanhas também podem ser criadas conforme descrito em Fate Acelerado. Quando criar Façanhas, tente fazer com que elas transmitam o clima do mundo onde a história está se passando e dos personagens. Pense em Toy Story nesse caso. Os bichos de pelúcia podem usar todo tipo de outros brinquedos para os ajudar, sejam binóculos, molas malucas ou skates. A única diferença é que apenas os animais de pelúcia ou bonecos de pano que as crianças levem para a cama com eles ganham vida. Os demais são normalmente inanimados.

Monstros

Como dito anteriormente, todos os monstros que existem no Reino dos Sonhos, e mesmo no mundo real, são criados pelos medos das crianças. Muitos monstros que os personagens encontrarão serão criações de crianças com as quais elas não tem nenhuma conexão. Alguns serão mais fracos de que os demais já que os seus criadores estão crescendo e superando seus medos. Alguns monstros poderão até mesmo se manifestar como várias criaturas atreladas à mesma criança, como uma colônia de pequenas aranhas, ou um par de gêmeos que emboscam um ao outro.

Entretanto, os monstros criados pelos seus personagens deveriam ter força máxima, ou colaborarem uns com os outros. Isso quer dizer que os donos dos personagens seriam muito jovens e teriam ainda grandes problemas para lidar. Crie os monstros dos seus personagens como Bosses do Fate Adversary Toolkit.

Quando criar o monstor de um personagem, utilize o Aspecto de Propósito para ter ideias. Se você precisar de mais ideias, pergunte ao jogador sobre as dificuldades que o seu dono enfrenta no dia a dia. Uma criança que sofre bully pode gerar um monstro com uma Abordagem Estilosa alta, visando atacar o ego dos outros. Uma criança de uma famíla em um processo de divórcio poderia gerar um monstro com um Sorrateiro alto focado em isolar seus inimigos. Claro, se você está jogando com um grupo muito jovem, talveza você tenha que amenizar os problemas e os monstros aos temas típicos de fábulas. De qualquer modo, tenha certeza que os jogadores estão à vontade com os temas colocados em jogo.

Pergunte aos jogadores como os monstros deles se parecem quando eles os encontrar pela primeira vez, mas veja se isso não irá gerar problemas com a mecânica. Para aumentar o fator de assombro, faça com que os personagens apenas vejam relances do monstro de começo, e pergunte a eles que tipo de coisas eles viram cada vez.

Ideais de Cenários

O Portal Corrompido

Em um local muito distante, monstros conseguiram comprometer um dos portais, e isso é bem ruim para as crianças desse local, ká que muitas já sucumbiram ao terror dos medos das mesmas que estão soltos no mundo. Mas ainda pior é o fato de que alguns monstros laboriosos estão aprendendo com esse portal e descobrindo formas de abrir portais em outras regiões. Se isso for verdade, isso é um problema para crianças e bonecos de pelúcia em todo o mundo!

O Cerco ao Reino de Pelúcia

O Reino dos Sonhos anda muito quieto, até demais: nas sombras, o mal pulula. Diz-se que muitos monstros estão sendo vistos próximo à região do portal dos jogadores. Após investigação, descobre-se que os mesmos estão preparando um ataque em massa, monstros se agrupando e planejando como romper os muros que protegem o portal da região. Os personagens serão capazes de impedir o plano dos monstros e manter as crianças à salvo?

A praga do Enchimento

Um novo monstro desenvolveu a capacidade de infectar bichos de pelúcia. Pensava-se que isso fosse inofensivo de início, causando apenas uma tosse que durava alguns dias. Entretanto, se deixar espalhar-se, a doença ao pouco irá corroer o enchimento do infectado. Há relatos estranhos de bichos de pelúcia infectados fazendo coisas estranhas, como deixar portas abertas ou abandonar seus turnos de guarda. Seria essa doença a forma dos monstros conseguirem acesso aos portais?


Exceto quando dito de outra forma, o texto acima está licenciado segundo a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International.

Sweet Halloween Dreams é de autoria de begemott, usado sem permissão.

Texto original por Nathan Hare, tradução por Fábio Emilio Costa

Saiba Mais (1559 palavras...)