Alsyf Alayat, the Sword Verses (Real Name: Rahul Musa Al-Gazzawi/Mufti Musra Hussein Al-Gazzawi)

Alsyf Alayat is one of the main pieces on Undying Caliphate, as she’s a Mastermind Puppet Master that can manipulate the minds of those who are from the Ummah (Islamic people) to do his will, even implanting post-hypnotic suggestions that can be triggered in the worst moments.

Aspects

Type Aspect
Power Aspect A-Class Mastermind (Puppet Master)
Hero Aspect The Prophiesied Mahdi (self-deluded)
Trouble “Down with the infidel! Brimstone to the Crusader!”
Background Ex-Double Agent
Background Part of the Undiying Caliphate Head-Of-State

Attributes

Attribute Level
Alertness Great (+4)
Athleticism Fair (+2)
Physique Great (+4)
Discernment Superb (+5)
Willpower Fantastic (+6)
Presence Superb (+5)

Skills

Skill Level
Academics Fair (+2)
Aid Average (+1)
Deceive Good (+3)
Drive Fair (+2)
Engineering Average (+1)
Fight Fair (+2)
Investigate Great (+4)
Larceny Average (+1)
Provoke Good (+3)
Rapport Good (+3)
Shoot Average (+1)
Stealth Average (+1)
Survival Fair (+2)

Resources

Attribute Level
Contacts Good (+3)
Reputation Fair (+2)
Wealth Average (+1)
  • Superhuman Mind x4 (Discernment Epic +9, Bonus +4)
  • Sword Verse (Do As I Said! - +2 against Muslims; -2 against anyone else; can’t use when angry or in rage)
  • Today I’m this

Stress and Consequences

Stress Bar
Physical 4
Mental 4
Resources 3
Consequences Normal Extra Physical Extra Mental Extra Resource
Mild (+2) 1   1  
Moderate (+4) 1     1
Severe (+6) 1      

Rotnase Hans (Red Nose Hans), The Fool

Aspects

Type Aspect
High Concept A singleminded Fool tired of a life without motivation
Heart’s Desire I want a better life… As a king, if possible!
Tension “Any idiot can be king, so why not me?”
Motivation/Method Wiser than he looks: being a singleminded fool is just a masquerade
Relationship  
Relationship  
Seventh Aspect  

Tension

Create Advantage       X   Attack
Freedom +2 +1 Neutral +1 +2 Reverence
  -2 -1   -1 -2  
Defense           Overcome

Skills

Level Skill Skill Skill Skill
Great (+4) Rapport      
Good (+3) Provoke Athletics    
Fair (+2) Lore Empathy Will  
Average (+1) Physique Fight Notice Shoot

Stunts [Refresh: 3]

  • Nose for Trouble: You can use Empathy instead of Notice to determine your turn order in a conflict, provided you’ve gotten a chance to observe or speak to those involved for at least a few minutes beforehand during this scene.
  • Psychologist: Once per session you can reduce someone else’s consequence by one level of severity (severe to moderate, moderate to mild, mild to nothing at all) by succeeding on an Empathy roll with a difficulty of Fair (+2) for a mild consequence, Good (+3) for moderate, or Great (+4) for severe. You need to talk with the person you’re treating for at least half an hour in order for them to receive the benefits of this stunt, and you can’t use it on yourself. (Normally, this roll would only start the recovery process, instead of changing the consequence level.)
  • Painful Truth: can use Rapport to Attack, by putting some truths about a target into a prank or chaff

Riscos

Imagem ilustrando os riscos descritos no texto

Vou supor que você, como Narrador, já tenha entendido como lidar com o sucesso e falha nos dados. Você entende que as falhas não devem parar o jogo e que você deveria apenas rolar dados para determinar sucesso ou falha quando ambos forem interessantes e resultarem em diversão. Portanto, vamos falar daquela outra coisa que cerca sucesso e falha - especificamente, vamos falar sobre riscos.

Nesse contexto, os riscos em uma situação são as coisas que podem obviamente sair errado, mas que não tornam o sucesso mais ou menos possível. Por exemplo, se um personagem deseja chutar uma porta, existe o risco de que isso provoque barulho o bastante para alertar os guardas. Esse risco não tem impacto na ação, mas pode ter um impacto profundo na situação.

Quando os jogos colocam riscos em conta, eles simplesmente o tornam parte da dificuldade do rolamento, e assumem que, em caso de sucesso, os mesmos tenham sido contornados ou, em caso de falha, que eles provoquem desdobramentos. Jogos com maior nuances lidam com os riscos em idéias como sucessos parciais ou sucesso a custo, de modo que exista uma terceira camada de resultados possíveis entre o sucesso e a falha.

Embora eu não tenha a pretensão de cobrir todas as possibilidades de risco em apenas uma postagem, vou sugerir que os riscos possam ser categorizados em certos tipos que se repetem sempre. Eles são:

  • Custo: o mais óbvio dos riscos, normalmente irá aparecer na forma de recursos desperdiçados;
  • Dano: Igualmente clássico, um exemplo de sucesso a custo é ser bem sucedido, mas a custo de ferimentos;
  • Revelação: O personagem que está agindo revela alguma informação sobre ele, seja uma pista ou sua localização;
  • Confusão: O personagem consegue alguma coisa que não era o que ele tentava alcançar, criando oportunidades de confusão, timing ruim, ofensas ou outras formas perigosas de mal-entendimento;
  • Desperdício: Funcionalmente equivale ao Custo, mas aonde um custo é considerado parte da ação, o Desperdício representa o mal uso dos seus recursos;
  • Ineficácia: Atingir o alvo pode não significar o derrubar. Um sucesso sem uma ação resultante pode simplesmente resultar em obter pouca (ou nenhuma) recompensa;
  • Efeito colateral: por outro lado, algumas vezes o problema vem de aplicar esforço demais - coisas frágeis se quembram, peças não se encaixam mais, as pessoas ficam bravas e outras formas de problemas podem resultar de colocar esforço demais;
  • Atraso: Algumas vezes as coisas podem simplesmente levar mais tempo do que se espera.

(Essa lista cetamente não é completa, e estou aberto a sugestões para adições.)

Agora, essa lista é muito útil para um Narrador que está olhando para uma situação e pensando “Okay, quais são os riscos envolvidos aqui?”. Seguir uma checklist simples é uma forma de considerar as potenciais opções antes dos dados rolarem. Mas, de maneira crítica, praticamente nenhuma situação irá implicar em todos os riscos ao mesmo tempo. Se ninguém estiver observando, não existe muito risco de uma revelação. Se não há pressa, então atraso não é um risco. Isso não é nenhum problema - o fato de diferentes situações implicarem em diferentes riscos é uma característica pelo fato do risco direcionar o comportamento do jogador.

Isso quer dizer, o risco impacta em como os personagens vão lidar com um problema e vai oferecer uma grande gama de ações e possibilidades que irão crescer naturalmente baseando-se nos sucessos e falhas que já ocorreram no seus jogo. Dois rolamentos mecanicamente idênticos poderão parecer drasticamente diferentes quando apresentados em situações com riscos diferentes. O benefício disso é tão profundo que estamos começando hoje a entender as bases de como pensar os riscos de maneira distinta das dificuldades.

Os Riscos e as Abordagens

(Essa parte é focada especialmente no Fate Acelerado, mas uma parte dela pode ser reusada em outros contextos)

Eu amo o Fate Acelerado, mas penso que é normalmente compreendido que existem horas em que a questão de qual Abordagem usar se tornam mais um exercício de mecância do que de ficção, o que no fim das contas vai contra o objetivo do Fate Acelerado para início de conversa. Eu escrevi sobre algumas outras maneiras de atacar esse problema de como tornar a escolha de uma abordagem relevante, mas acho que o verdadeiro pulo do gato envolvem os riscos, com um simples truque de perspectiva:

Abordagens são menos sobre sucesso ou falha, e mais sobre como mitigar os riscos.

Ok… isso parece bem estranho, mas funciona comigo. Sucesso simples não é algo difícil de se obter no Fate Acelerado, mesmo com uma abordagem ‘ruim’. As dificuldades normalmente não são tão altas, e os Aspectos provêm uma bocado de força adicional quando prteciso. Mas acima de tudo, ainda existe o incentivo de xplicar porque tudo que você faz você faz de maneira Esperta e portanto você merece receber aquele bônus de +3.

Mas suponha que você olhe a lista de riscos que mostramos anteriormente como o oposto das Abordagens. Remova Custo e Dano - elas sempre podem acontecer conforme a necessidade - e o resto funciona de maneira curiosamente boa.

  • Se você não for Ágil o bastante, você corre o risco de gerar Atrasos
  • Se você não for Cuidadoso o bastante, você pode gerar toda uma série de Efeitos colaterais
  • Se voce não for Esperto o bastante, você corre o risco de Desperdiçar recursos
  • Se você não for Estiloso o bastante, você pode gerar Confusão
  • Se você não for Poderoso o bastante, você corre o risco da Ineficácia
  • Se você não for Sorrateiro o bastante, você corre o risco de Revelações inconvenientes

Isso quer dizer que a escolha da Abordagem pode ser vista como uma resposta razoável a um risco. Em jogo isso quer dizer que a escolha correta de uma Abordagem pode anular um risco

Versão ilustada da correlação entre Abordagens e Riscos

OK, isso parece interessante na teoria, mas como isso se aplica em jogo?

Então, mecanicamente, quando o Narrador observa uma situação em jogo, ela deve implicar em um ou mais riscos (caso contrário, então definitivamente pergunte-se se existe a necessidade de um rolamento), e define a dificuldade, sempre lembrando que 0 é uma dificuldade totalmente plausível. Então adicione as seguintes ideias: primeiro, a cada 2 pontos que o personagem passar da dificuldade anula um dos riscos presentes (se fizer sentido). Isso significa toda forma de aumento de dificuldade para um sucesso a custo automático. Segundo, a Abordagem escolhida cancela qualquer risco relevante.

So, mechanically, when the GM looks at a situation in play, it should have one or more risks (if there are no risks, then definitely question why there’s a roll at all), and set difficulty, with the reminder that 0 is a totally reasonable difficulty. Then add the following 2 twists: First, every 2 points over the difficulty can cancel out a risk (if it makes sense). This makes for a sort of proxy difficulty increase with automatic success-with-consequence. Second, the approach chosen cancels out any appropriate risk.

Voltemos ao exemplo da porta: Finn precisa passar por uma porta para escapar. Ela está trancada, e os guardas estão se aproximando, portanto é hora de sentar o pé na porta. Ela não parece uma porta muito robusta, e o Narrador está confortável para definir uma dificuldade de 1, portanto ele começa a avaliar os riscos possíveis.

  • Custo e Dano não sõa algo que irão acontecer diretamente, mas sempre podem ocorrer se as coisas ficarem complicadas de verdade.
  • Desperdício não é um problema. Derrubar uma porta não é algo bonito
  • Atraso, entretanto, é um problema sério. Se ele gastar tempo demais, os guardas poderão o pegar.
  • Confusão não é um problema, já que não existe uma audiência para ficar confusa.
  • Revelação é um tanto limitrófe - o Narrador pode determinar que um dos riscos é que os guardas saberiam o caminho pelo qual Finn está tentando fugir. Entretanto, ele está tentando derrubar a porta, então eles provavelmente descobririam de um jeito ou de outro, portanto a questão é muito mais descobrir se isso ocorreria rápido o bastante para fazer sentido. Nessa perspectativa, isso entraria no território já coberto por Atraso, então o narrador deixa isso de lado.
  • Efeito Colateral com certeza não é um risco a ser lidado aqui
  • Ineficácia, entretanto, certamente é. Ele não pode se dar ao luxo de ser certinho aqui. Mas, apesar disso, isso deve nos levar a pensar um pouco - o risco da ineficácia também é que os guardas irão o capturar, então será que isso é realmente algo tão diferente? A ineficávia não estaria no caso mapeando a falha? Essas são considerações razoáveis mas elas tem que ser balanceadas com as sensibilidades do momento e com o fato do narrador já ter sido generoso ao lidar com a Revelação, e isso parece correto. Entretanto, aumentar a chance dos guardas pegarem Finn parece algo injusto, portanto ele considera que a porta pode não se quebrar totalmente, forçando o personagem a se espremer por ela, provavelmente deixando algum tesouro para trás.

Com tudo isso em mente, o Narrador determina que a situação possui riscos relacionados a Atraso e Ineficácia além da dificuldade de +1. Se ele for bem sucedido, ele irá passar pela porta, mas existe uma chance de os guardas estarem ainda mais na sua cola se ele demorar demais, ou de ele se ver obrigado a deixar algum tesouro para trás se não conseguir arrebentar a porta pra valer.

Em termos de matemática pura, isso sugere uma gama ainda maior de opções:

Se Finn tentar ser Ágil (anulando Atraso):

  • Se obter menos de 1, ele falhará e terá que lutar contra os guardas;
  • Se obtiver 1 ou 2, ele conseguirá se espremer através da porta, mas deixará algum tesouro para trás;
  • Se obtiver 3 ou mais, ele conseguirá derrubar a porta de maneira dramática e irá conseguir fugir pelas ruas

Se Finn tentar ser Poderoso (anulando Ineficácia):

  • Se obter menos de 1, ele falhará e terá que lutar contra os guardas;
  • Se obtiver 1 ou 2, ele conseguirá derrubar a porta, mas os guardas estarão na sua cola o bastante para que a perseguição continue pelas ruas
  • Se obtiver 3 ou mais, ele conseguirá derrubar a porta de maneira dramática e irá conseguir fugir pelas ruas

Se Finn tentar outras Façanhas:

  • Se obter menos de 1, ele falhará e terá que lutar contra os guardas;
  • Se obtiver 1 ou 2, ele conseguirá se espremer através da porta, mas deixará algum tesouro para trás, e continuará sendo perseguido pelos guardas;
  • Se obtiver 3 ou 4, o narrador irá avaliar a situação, considerando o que será mais divertido ou se a descrição que Finn deu leva a uma direção adequada, e Finn ou deixará algum tesouro para trás ou continuará sendo perseguido;
  • Se obtiver 5 ou mais, ele conseguirá derrubar a porta de maneira dramática e irá conseguir fugir pelas ruas

Isso parece algo bem complicado, mas na prática é bem simples e lógic. E pensando de maneira crítica, isso torna a escolha da Abordagem significativa. Essa é uma situação ou um personagem Ágil ou Poderoso tem a chance de brilhar, mas sucesso continua sendo algo possível de ser alcançado por qualquer presonagem.

Além disso, existe ainda muito espaço para a criatividade e para a resolução de problemas. Se um personagem tiver uma maneira inteligente para mitigar ou transformar um risco, ou usar uma Façanha de uma maneira inesperada, então maravelha! Essa é uma forma de se pensar! O objetivo não é punir escolhas “ruins”, mas dar peso para as escolhas feitas.

Riscos e Sucesso

“Mas espera”, você esteve se perguntar: “mas se evitar um risco for implicitamente o objetivo da ação de um personagem? Se eu quiser correr ou ser esquivo ou fazer alguma coisa cujo um risco na prática representa uma falha?”

A resposta, de maneira contra-intuitiva, é que isso não muda nada, exceto que isso deixa claro qual a Abordagem a ser usada na situação, e ao fazê-lo, pode também responder se o rolamento é necessário.

Quer dizer, se existe apenas um risco (por exemplo, ser detectado ou não), então aquele risco é negado usando a Abordagem Sorrateira, e portanto, por que você está rolando? A Resposta pode ser “mais ou menos por que rolar é legal”. Nesse caso recomendo que leia a próxima sessão. Mas idelamente é por que “Ou, claro, isso quer dizer que mais coisas podem acontecer a partir desse rolamento que um simples binarismo - quais outros riscos podem aparecer em jogo?”

That is, if there is only one risk (say, getting spotted or not), then that risk is obviated by using a Sneaky approach, at which point, why are you rolling? The answer might be “more or less because rolling is fun” in which case I refer you to the next section, but ideally it’s because “Oh, right, there should be more going on for this roll than this simple binary – what other risks might be in play?”

Todos os riscos o tempo todo

Ok… A verdade nua e crua é que ocasionalmente eu me via em situações onde eu pedia um rolamento e não estava realmente preparado para a falha. Deveria estar melhor preparado, mas algumas vezes as situações simnplesmente parecem demandar um rolamento no momento, e eu precisava dar um jeito de sair dessa.

Os Riscos são uma ótima ferramenta nesse caso porque, francamente, eu posso colocar uma dificuldade 0 e assumir sucesso, com as questões sendo relacionadas aos riscos. Veja, essas situações quase sempre implicarão em ter múltiplos riscos em jogo ao mesmo tempo, e é por isso que o instinto para rolar os dados estará respondendo nelas. Eu naõ estou realmente olhando por sucesso ou falha, eu estou procurando saber o quanto as situações estão sob controle. “Falha” não significa que todas as consequências irão desaparecer, mesmo aquela que a Abordagem supostamente deveria mitigar.

Comunicando os riscos

Pode acontecer de se você se sentir tentado a listar os riscos de modo que os personagens possam saber sempre como responder aos mesmos, mas eu realmente recomendaria que não o faça. As categorias listadas de riscos são um atalho, não descrições completas - são mais para sua conveniência como narrador, descritores para os riscos ficcionais que você irá descrever (ou não) a seus jogadores.

De maneira geral, como uma boa prática, use os riscos como dicas sobre como descrever a situação. Você não precisa elaborar cada um dos riscos, mas quando você pensar em elementos descritivos em um cena, gaste um tempo para pensar em cada risco e veja se eles podem contribuir com a situação.

Entretanto, se você começar a relamente listar riscos como construtos mecânicos, estou curioso em saber como isso funcionou para você.

Riscos vs Consequências

Essa parte é um bônus. Se o risco é algo que pode acontecer, uma Consequência é algo que irá acontecer como resultado de uma ação. Fora isso elas são muito parecidas, e uma vez que você pegue o jeito pensando em riscos, você poderá aplicar a mesma sorte de lógica para as consequências, usando-as como uma das mais poderosas ferramentas de criação de cenários já criadas.

Isso é, se você que realmente ter uma sessão sólida, um dos truques para o fazer e apresentar um problema ou tarefa única e simples que os pesonagens poderão fazer, mas que resultará em numerosas consequências complexas. A aventura então se tornará uma questão de identificar as consequências e descobrir como anular ou desviar as mesmas antes de alcançar o objetivo final.

Dito isso: é assim que eu crio uma aventura de roubo.

Ícones usados vem especialmente de http://game-icons.net


Saiba Mais (2623 palavras...)